A satisfação do paciente é um objetivo a ser alcançado diariamente nos consultórios médicos. Isso porque essa percepção positiva é o resultado do bom atendimento, do tratamento condizente com a situação clínica e das demandas comportamentais do paciente.

Todavia, é preciso limitar as condutas para não incorrer em exageros ou se submeter a situações desagradáveis para conservar a satisfação do paciente. Sendo assim, é preciso manter o equilíbrio para se destacar nesse mercado de saúde.

Para tanto, os gestores/médicos devem ser organizados e produtivos, levantar as principais necessidades, apurar as reclamações e estudar novas formas de abordagem ao paciente para desenvolver uma identidade no atendimento de sua clínica.

Quer saber as melhores práticas de satisfação do paciente? Então, fique por dentro das dicas que daremos a seguir!

1. Não aja com frieza e indiferença

A relação terapêutica estabelecida entre médico e paciente não deve ser pautada no distanciamento completo, pois esse comportamento provoca grande insatisfação no doente. Contudo, é preciso cuidado para não causar intimidade demais. Esse limite é complexo e varia conforme a personalidade dos envolvidos. Em todo caso, é importante não menosprezar a fala do paciente com relação às queixas (e relevar as palavras ditas incorretamente), a fim de evitar um clima descortês.

Nesse sentido, cabe ao médico a escuta ativa, sem manifestação de juízos de valores. O ideal é abordar o paciente de forma simples e objetiva para facilitar o relato dos sintomas e, com isso, a identificação precoce do diagnóstico.

2. Foque no atendimento humanizado

O atendimento humanizado é uma prática que veio para transformar a relação terapêutica fria e hierarquizada que era o modelo considerado eficiente antigamente. Isso porque a responsabilidade do médico era concluir o diagnóstico por meio da observação dos sinais e sintomas clínicos do doente.

No entanto, se percebeu que essa conduta mecanicista não era suficiente para entender as nuances psicológicas, como a experiência subjetiva da doença e de que maneira isso impactava na adesão às condutas clínicas. Desse modo, foi preciso desenvolver técnicas de acolhimento e escuta ativa, e tratar o paciente de forma holística e multidisciplinar para garantir o atendimento humanizado e respeitoso.

3. Pratique a boa comunicação

Quando o médico faz um diagnóstico, o seu pensamento é técnico demais. Transformar essa informação em linguagem acessível ao paciente depende de fatores como: letramento em saúde, capacidade didática e paciência.

O letramento em saúde é a capacidade de entendimento e compreensão das informações que independe do nível de escolaridade. Significa que um borracheiro sem estudo, por exemplo, poderá compreender um diagnóstico de hipertensão da mesma forma que um advogado.

Para tanto, é preciso que o médico tenha capacidade didática de fazer comparações e citar exemplos que facilitem o entendimento. E mais: muita paciência para explicar a situação de maneiras diferentes até a completa compreensão.

4. Mantenha um ambiente acolhedor

A satisfação do paciente é algo a ser avaliado considerando, além dos fluxos administrativos, os serviços e o ambiente clínico. Enquanto alguns analisam apenas as questões médicas, outros reparam nos detalhes da decoração. É fundamental manter um ambiente limpo, acolhedor e com um fluxo de atendimento adequado à infraestrutura física. Nessa situação, vale a pena investir em paredes com tinta em tons pastéis, que dão a sensação de aumento do espaço.

Também é interessante investir em adornos e objetos de decoração que transmitam paz e sejam de fácil limpeza. Afinal, o acúmulo de poeira é facilmente percebido pelos pacientes mais atentos ou por aqueles que estão aguardando o atendimento.

Em relação às rotinas, é preciso pensar em questões eficientes, como fluxo na recepção, agilidade na conferência dos documentos para efetuar a consulta, e encaminhamento para as salas dos médicos. A logística desse fluxo e a presteza dos funcionários são fatores avaliados pelos doentes e seus acompanhantes.

5. Faça a divulgação dos serviços

A divulgação dos serviços clínicos é pautada nos preceitos de ética médica e, por isso, não podem ser disseminados em sua plenitude. Sendo assim, é importante analisar os limites dessa propaganda. Uma das formas de realizar essa divulgação é por meio das redes sociais. Nelas, devem constar informações a respeito dos tipos de serviços ou características sobre as principais indicações das técnicas usadas na clínica.

Outra estratégia interessante é a criação do site da empresa. A página deve reunir informações sobre os procedimentos, os profissionais que atuam na instituição, endereço, telefone e demais dados de relevância para o paciente.

6. Facilite o acesso do paciente

Falar de acessibilidade envolve diversos fatores. Dentre eles, a questão de mobilidade para as pessoas com deficiência. Considerada uma obrigatoriedade pelos órgãos reguladores, essa prática às vezes é cumprida parcialmente.

Isso porque, por questões de infraestrutura e espaço, essas pessoas não têm tanta facilidade de acesso. Os elevadores são distantes dos locais de atendimento ou as rampas são estreitas demais para a passagem segura das cadeiras de rodas. Os gestores/médicos devem garantir praticidade e conforto para os pacientes, bem como adaptar o layout da empresa de forma a não deixá-los em situações que exigem esforço físico e ajuda constante de terceiros.

7. Melhore o contato com o paciente

O atendimento presencial ainda é o modelo mais eficiente de comunicação entre médico e paciente. Entretanto, com os recursos tecnológicos disponíveis atualmente, é possível expandir essas formas de contato.

Uma das alternativas é por meio da videoconferência, em que o médico faz orientações clínicas a respeito do estado de saúde do paciente. Para questões mais simples, mas que exigem respostas mais rápidas, o uso dos aplicativos de mensagens instantâneas pode ser acordado.

Existem também as opções de envios de lembretes de consultas ou informações sobre exames que podem ser feitas por e-mail ou correspondência simples. Em todos os casos, é crucial levantar os canais mais utilizados pelos pacientes.

Satisfação do paciente

A satisfação do paciente precisa ser buscada tanto nos quesitos clínicos, com boas ferramentas de diagnóstico e terapêuticas, quanto nos parâmetros comportamentais, no que se refere às formas de estreitar a relação estabelecida. Para tanto, cabe ao médico/gestor a implantação de medidas simples para melhorias no atendimento e avaliação periódica por meio de indicadores.

Agora, queremos saber quais são as técnicas que você realiza em seu consultório. Quais dessas tiveram maior satisfação dos pacientes? Tem alguma prática que não mencionamos? Deixe seu comentário!

Artigo
  • Avaliação
5
Resumo
Satisfação do paciente: Fique por dentro das 7 melhores práticas!
Título
Satisfação do paciente: Fique por dentro das 7 melhores práticas!
Descrição
A satisfação do paciente é um objetivo a ser alcançado nos consultórios médicos. Isso porque essa percepção positiva é o resultado do bom atendimento.
Autor
Empresa
xDoctor
Logo Empresa
Autor

Escreva um comentário

Share This
xdoctor

Assine nossa Newsletter

Receba conteúdo em primeira mão para melhorar a gestão e os resultados da sua clínica ou consultório!

Parabéns! Verifique seu e-mail para confirmar a sua assinatura. Caso não receba o e-mail verifique sua caixa de SPAM.