Saber como lidar com fornecedores em clínicas e consultórios é uma tarefa árdua que exige discernimento, capacidade de negociação e conhecimentos científicos para selecionar a melhor opção terapêutica.

Os profissionais de saúde, diante de tanta oferta de produtos farmacêuticos, necessitam de uma orientação direcionada para não cair em armadilhas como fornecimento exclusivo de um laboratório ou envolvimento em questões éticas negativas.

Os fornecedores em clínicas e consultórios são as empresas fabricantes de produtos para saúde e são representados por propagandistas farmacêuticos que mostram o produto por infográficos, materiais de divulgação médica etc.

Por isso, se você tem dúvidas sobre como deveria ser o relacionamento ideal com esses entes fundamentais para a assistência em saúde, não deixe de ler nosso post de hoje e fique por dentro dessas orientações.

Entenda a função dos fornecedores

Propagandistas farmacêuticos

Os representantes farmacêuticos têm por objetivo aumentar o número de vendas de um determinado medicamento ou produto biológico, fidelizar os médicos e disseminar a divulgação do item.

Para não parecer muito óbvia a atividade comercial, esses indivíduos apresentam resultados de estudos clínicos em que comparam seus produtos com os demais concorrentes existentes no mercado.

É nesse contexto que cabe uma avaliação criteriosa sobre a qualidade das pesquisas clínicas realizadas. Compreender os processos de eficácia e segurança do medicamento, bem como características farmacológicas, garantirá uma boa discussão com os representantes.

Por isso, é importante que os prescritores consultem livros e artigos técnicos e estejam sempre embasados cientificamente antes de aceitarem prontamente as opiniões desses consultores.

Fabricantes e distribuidores

Essas empresas, por meio de seus representantes, estão interessadas em comercializar os seus produtos nas clínicas e nos consultórios. Considerando o porte de cada empresa clínica é preciso repensar essa pactuação.

Em empresas pequenas o ideal é adquirir produtos de distribuidoras que disponibilizam quantidades menores de mercadorias e optam por um faturamento mínimo mais baixo se comparado ao dos laboratórios fabricantes.

Além disso, as distribuidoras das tecnologias em saúde são credenciadas por vários laboratórios e isso oferece mais opções de preço e diversidade dos itens. Por sua vez, os laboratórios fabricantes comercializam apenas um tipo de produto e exigem um faturamento mínimo mais alto.

Estabeleça rotinas com os fornecedores

Propagandistas farmacêuticos

Não tem nada mais incômodo para o paciente do que o trânsito intenso de representantes de empresas durante o expediente lotado nas clínicas e nos consultórios médicos.

Além disso, quando não se organiza um horário para esse atendimento, as informações técnicas repassadas pelos fornecedores são rápidas e superficiais demais e não se consegue tirar dúvidas sobre os produtos.

Sendo assim, é importante programar dias e horários para atendimento dos fornecedores para que esse momento seja dedicado à atualização dos conhecimentos sobre novas formas farmacêuticas, dosagens e dispositivos inovadores na farmacoterapia.

Fabricantes e distribuidores

Para garantir a entrega correta dos produtos solicitados é essencial investigar a empresa e qualificá-la conforme as exigências legais e sanitárias. É preciso saber se ela possui toda a documentação que a autoriza a comercializar produtos farmacêuticos.

Nesse sentido, é fundamental solicitar a cópia do alvará de localização e funcionamento da empresa, a certidão de responsabilidade técnica e as boas práticas de fabricação quando se trata de fabricantes de medicamentos.

Para as distribuidoras farmacêuticas é importante solicitar a carta de credenciamento dos laboratórios produtores de medicamentos e certificar-se de que estes autorizam a venda de seus produtos.

Mantenha um relacionamento saudável

Propagandistas farmacêuticos

Um relacionamento saudável é aquele em que os envolvidos se ajudam mutuamente. Dessa forma, os propagandistas farmacêuticos podem facilitar a rotina nas clínicas e dos consultórios por meio de entregas pontuais ou programar a chegada dos produtos conforme a demanda.

Ademais, esses fornecedores também colaboram no empréstimo emergencial de itens farmacêuticos para suprir uma instituição de saúde que será devidamente reposta em momento oportuno.

Os profissionais médicos podem solicitar materiais ricos para entender os processos farmacológicos e as novas opções terapêuticas divulgadas no exterior e que ainda estão em fase de pesquisas no Brasil.

Fabricantes e distribuidores

Os fornecedores de medicamentos e materiais médico-hospitalares devem manter as informações da ordem de compra com data e período de entrega, quantidades solicitadas e manutenção da integridade das embalagens.

Igualmente importante, os profissionais devem manter os pagamentos em dia para evitar ruptura de estoque de mercadorias consideradas essenciais para as atividades assistenciais desenvolvidas.

As relações profissionais devem ser pautadas nas questões éticas evitando atividades que influenciam na autonomia terapêutica dos médicos. Exemplo disso são as situações em que as empresas farmacêuticas condicionam à comercialização de produtos a divulgação explícita dos itens.

Enfim, como lidar com fornecedores?

Propagandista farmacêutico

Sabendo do propósito precípuo desses representantes é crucial que o médico estabeleça seus próprios critérios de relacionamento. Situações indesejadas, como insistência por meio dos canais de comunicação, já contam pontos negativos.

Por isso, é fundamental propor os limites para que a relação não se torne prejudicial para nenhum dos lados. Os médicos devem organizar sua agenda para atendimentos comerciais e não abrir exceções para outros profissionais que gerariam predileção.

Os profissionais clínicos podem aceitar brindes e amostras grátis, sem, contudo, garantir fidelização ao laboratório fabricante do produto para não incorrer em dependência dessa mercadoria.

Fabricantes e distribuidores

Assim como acontece no relacionamento com os representantes de produtos farmacêuticos é interessante criar rotinas para os outros fornecedores.

Nesse caso, um checklist ajudará bastante nesse processo, o que poderia habilitar ou desabilitar o fornecedor.

Alguns itens que serão avaliados são prazo para entrega da cotação, disponibilidade que responder dúvidas, relacionamentos pós-venda etc.

Caso sejam detectadas situações desagradáveis, os fornecedores serão informados de que a permanência dessas atitudes poderá gerar descredenciamento das relações comerciais com as clínicas e os consultórios.

Saber lidar com fornecedores é uma tarefa desafiadora e necessária. De um lado, existem os propagandistas farmacêuticos, figuras importantes para divulgação de produtos para a saúde, porém, com objetivos comerciais definidos.

De outro, observa-se os fornecedores, enquanto pessoas jurídicas, representadas pelos laboratórios fabricantes e distribuidores. Por isso, é imprescindível adotar práticas para delimitar as atuações de cada um e manter um relacionamento saudável e interessante para todos.

E você, sabe como lidar com fornecedores que chegam à sua empresa? Já pensou em adotar alguns critérios para aperfeiçoar essa relação? Quer ficar por dentro novidades? Então, siga a nossa página no Facebook!

Autor

Escreva um comentário