Category

Marketing e fidelização

Category

Como lidar com fornecedores de clínicas e consultórios

Saber como lidar com fornecedores em clínicas e consultórios é uma tarefa árdua que exige discernimento, capacidade de negociação e conhecimentos científicos para selecionar a melhor opção terapêutica.

Os profissionais de saúde, diante de tanta oferta de produtos farmacêuticos, necessitam de uma orientação direcionada para não cair em armadilhas como fornecimento exclusivo de um laboratório ou envolvimento em questões éticas negativas.

Os fornecedores em clínicas e consultórios são as empresas fabricantes de produtos para saúde e são representados por propagandistas farmacêuticos que mostram o produto por infográficos, materiais de divulgação médica etc.

Por isso, se você tem dúvidas sobre como deveria ser o relacionamento ideal com esses entes fundamentais para a assistência em saúde, não deixe de ler nosso post de hoje e fique por dentro dessas orientações.

Entenda a função dos fornecedores

Propagandistas farmacêuticos

Os representantes farmacêuticos têm por objetivo aumentar o número de vendas de um determinado medicamento ou produto biológico, fidelizar os médicos e disseminar a divulgação do item.

Para não parecer muito óbvia a atividade comercial, esses indivíduos apresentam resultados de estudos clínicos em que comparam seus produtos com os demais concorrentes existentes no mercado.

É nesse contexto que cabe uma avaliação criteriosa sobre a qualidade das pesquisas clínicas realizadas. Compreender os processos de eficácia e segurança do medicamento, bem como características farmacológicas, garantirá uma boa discussão com os representantes.

Por isso, é importante que os prescritores consultem livros e artigos técnicos e estejam sempre embasados cientificamente antes de aceitarem prontamente as opiniões desses consultores.

Fabricantes e distribuidores

Essas empresas, por meio de seus representantes, estão interessadas em comercializar os seus produtos nas clínicas e nos consultórios. Considerando o porte de cada empresa clínica é preciso repensar essa pactuação.

Em empresas pequenas o ideal é adquirir produtos de distribuidoras que disponibilizam quantidades menores de mercadorias e optam por um faturamento mínimo mais baixo se comparado ao dos laboratórios fabricantes.

Além disso, as distribuidoras das tecnologias em saúde são credenciadas por vários laboratórios e isso oferece mais opções de preço e diversidade dos itens. Por sua vez, os laboratórios fabricantes comercializam apenas um tipo de produto e exigem um faturamento mínimo mais alto.

Estabeleça rotinas com os fornecedores

Propagandistas farmacêuticos

Não tem nada mais incômodo para o paciente do que o trânsito intenso de representantes de empresas durante o expediente lotado nas clínicas e nos consultórios médicos.

Além disso, quando não se organiza um horário para esse atendimento, as informações técnicas repassadas pelos fornecedores são rápidas e superficiais demais e não se consegue tirar dúvidas sobre os produtos.

Sendo assim, é importante programar dias e horários para atendimento dos fornecedores para que esse momento seja dedicado à atualização dos conhecimentos sobre novas formas farmacêuticas, dosagens e dispositivos inovadores na farmacoterapia.

Fabricantes e distribuidores

Para garantir a entrega correta dos produtos solicitados é essencial investigar a empresa e qualificá-la conforme as exigências legais e sanitárias. É preciso saber se ela possui toda a documentação que a autoriza a comercializar produtos farmacêuticos.

Nesse sentido, é fundamental solicitar a cópia do alvará de localização e funcionamento da empresa, a certidão de responsabilidade técnica e as boas práticas de fabricação quando se trata de fabricantes de medicamentos.

Para as distribuidoras farmacêuticas é importante solicitar a carta de credenciamento dos laboratórios produtores de medicamentos e certificar-se de que estes autorizam a venda de seus produtos.

Mantenha um relacionamento saudável

Propagandistas farmacêuticos

Um relacionamento saudável é aquele em que os envolvidos se ajudam mutuamente. Dessa forma, os propagandistas farmacêuticos podem facilitar a rotina nas clínicas e dos consultórios por meio de entregas pontuais ou programar a chegada dos produtos conforme a demanda.

Ademais, esses fornecedores também colaboram no empréstimo emergencial de itens farmacêuticos para suprir uma instituição de saúde que será devidamente reposta em momento oportuno.

Os profissionais médicos podem solicitar materiais ricos para entender os processos farmacológicos e as novas opções terapêuticas divulgadas no exterior e que ainda estão em fase de pesquisas no Brasil.

Fabricantes e distribuidores

Os fornecedores de medicamentos e materiais médico-hospitalares devem manter as informações da ordem de compra com data e período de entrega, quantidades solicitadas e manutenção da integridade das embalagens.

Igualmente importante, os profissionais devem manter os pagamentos em dia para evitar ruptura de estoque de mercadorias consideradas essenciais para as atividades assistenciais desenvolvidas.

As relações profissionais devem ser pautadas nas questões éticas evitando atividades que influenciam na autonomia terapêutica dos médicos. Exemplo disso são as situações em que as empresas farmacêuticas condicionam à comercialização de produtos a divulgação explícita dos itens.

Enfim, como lidar com fornecedores?

Propagandista farmacêutico

Sabendo do propósito precípuo desses representantes é crucial que o médico estabeleça seus próprios critérios de relacionamento. Situações indesejadas, como insistência por meio dos canais de comunicação, já contam pontos negativos.

Por isso, é fundamental propor os limites para que a relação não se torne prejudicial para nenhum dos lados. Os médicos devem organizar sua agenda para atendimentos comerciais e não abrir exceções para outros profissionais que gerariam predileção.

Os profissionais clínicos podem aceitar brindes e amostras grátis, sem, contudo, garantir fidelização ao laboratório fabricante do produto para não incorrer em dependência dessa mercadoria.

Fabricantes e distribuidores

Assim como acontece no relacionamento com os representantes de produtos farmacêuticos é interessante criar rotinas para os outros fornecedores.

Nesse caso, um checklist ajudará bastante nesse processo, o que poderia habilitar ou desabilitar o fornecedor.

Alguns itens que serão avaliados são prazo para entrega da cotação, disponibilidade que responder dúvidas, relacionamentos pós-venda etc.

Caso sejam detectadas situações desagradáveis, os fornecedores serão informados de que a permanência dessas atitudes poderá gerar descredenciamento das relações comerciais com as clínicas e os consultórios.

Saber lidar com fornecedores é uma tarefa desafiadora e necessária. De um lado, existem os propagandistas farmacêuticos, figuras importantes para divulgação de produtos para a saúde, porém, com objetivos comerciais definidos.

De outro, observa-se os fornecedores, enquanto pessoas jurídicas, representadas pelos laboratórios fabricantes e distribuidores. Por isso, é imprescindível adotar práticas para delimitar as atuações de cada um e manter um relacionamento saudável e interessante para todos.

E você, sabe como lidar com fornecedores que chegam à sua empresa? Já pensou em adotar alguns critérios para aperfeiçoar essa relação? Quer ficar por dentro novidades? Então, siga a nossa página no Facebook!

Pacientes insatisfeitos: como lidar?

Pacientes insatisfeitos podem criar muitos problemas na sua clínica ou consultório. A insatisfação faz com que o paciente não volte ao consultório, não conclua seu tratamento e passe uma imagem ruim de você para outras pessoas, tanto para aquelas que já são suas pacientes quanto para as que não são.

Saber lidar com os pacientes insatisfeitos é o primeiro passo para quebrar este ciclo. É preciso calma, paciência e postura profissional para driblar as situações desconfortáveis e resolver as questões mais complicadas. Afinal, já imaginou se todo médico gritasse de volta para cada reclamação que recebesse?

Por isso, no post de hoje trazemos algumas dicas de como lidar com esses pacientes. Acompanhe!

Escute o que o paciente tem a dizer

Pacientes insatisfeitos que reclamam sobre o atendimento não querem ouvir justificativa dos erros ou lidar com uma pessoa na defensiva. Eles querem que seus problemas sejam escutados e compreendidos, para que o motivo da sua insatisfação seja reconhecido e consertado de alguma forma.

É natural querer responder ou discordar de cada ponto da reclamação do paciente antes mesmo que ele termine de falar. É neste momento que você deve respirar fundo e deixar o paciente falar. Ouça atentamente a todos os pontos que causaram a insatisfação e demonstre empatia.

Proponha soluções para os pacientes insatisfeitos

Depois do paciente finalizar sua reclamação, sempre proponha alguma solução para o problema que ele trouxe. Nem sempre será aquela que ele esperava, mas, pelo menos, demonstrará que você se importa com ele e busca melhorar a situação. Vale até pedir a ajuda do próprio paciente e solicitar sugestões.

Nem sempre a solução estará em suas mãos. Nesse caso, o melhor a ser feito é falar com a pessoa que poderá ajudá-lo com o problema.

Dar de ombros ou simplesmente dizer que não pode fazer nada indicam uma postura de indiferença, o que vai deixar o paciente mais insatisfeito ainda.

Controle as suas emoções

Esta dica pode parecer óbvia, mas acaba sendo esquecida nos momentos de cabeça quente. Nunca perca o controle das emoções na frente do seu paciente. Isso significa não revidar um ataque, elevar a voz ou chamar o paciente por nomes ofensivos, mesmo que ele se comporte assim. Muitas vezes ele se encontra em um momento de fragilidade e medo, fazendo com que tenha atitudes exageradas ou inadequadas.

Lembre-se que você é o profissional e precisa passar credibilidade e confiança para o paciente, principalmente nos momentos de tensão e estresse.

Não leve a insatisfação para o lado pessoal

Nunca vale a pena levar a insatisfação do paciente para o lado pessoal, mesmo que ele o ataque diretamente. A reclamação dele quase sempre está ligada a algum aspecto mais amplo do atendimento, que pode envolver questões técnicas, burocráticas, financeiras, e não de características específicas do profissional.

Sentir-se pessoalmente atacado só vai atrapalhar a chegar à melhor solução para aquele problema e retardar a sua resolução.

Evite respostas automáticas

Se tem uma coisa que qualquer paciente odeia (ou qualquer cliente que consome um serviço) é o de sentir que está sendo atendido e ouvido por uma máquina. Por isso, evite dar respostas automáticas para as reclamações.

Como falamos no início do post, é preciso ouvir atentamente os motivos de insatisfação do paciente para lhe dar uma resposta individualizada de acordo com seu contexto e situação atual. Uma resposta pronta não resolve o problema e deixa o paciente mais irritado.

Tenha um canal de comunicação aberto

Em grande parte das vezes os pacientes não demonstram a sua insatisfação por não saberem como ou não se sentirem à vontade. Eles percebem o problema, reclamam internamente, mas não relatam seus pensamentos e apenas deixam de comparecer ao estabelecimento de saúde ou de se atender com o médico.

Isto é prejudicial à clínica/consultório, que perde pacientes sem saber o porquê. Crie canais de comunicação abertos pelos quais o paciente possa dar sugestões e indicar falhas e insatisfações, como:

  • questionário de preenchimento de satisfação ao final da consulta;
  • espaço para reclamações ou sugestões nas redes sociais.

Cumpra a sua palavra

Preze pela honestidade durante a conversa com o paciente. É claro que a intenção sempre é resolver o problema o mais rápido possível e, assim, acabar com a sua insatisfação, porém mentir para ele só piorará a situação.

Nunca prometa ao paciente que fará algo que não consegue cumprir. Esta atitude pode agravar a situação e deixar o paciente ainda mais insatisfeito. Se o problema não tem como ser resolvido ou precisa de maior tempo, seja sincero e exponha a situação verdadeira a ele, tentando entrar em um acordo que seja benéfico para as duas partes.

Agradeça a contribuição do paciente

Conhecer as experiências e opiniões dos pacientes é essencial para avaliar a qualidade do atendimento em saúde e poder melhorá-la no dia a dia do estabelecimento. Afinal, o atendimento busca resolver os seus problemas e demandas de saúde da melhor forma possível.

Portanto, nada mais justo do que agradecer o paciente pela sua contribuição após a reclamação. Faça-o saber que a opinião dele é muito importante e ajudará para que o problema não se repita no futuro.

Aprenda com as reclamações

As reclamações bem fundamentadas são ótimas oportunidades para aprendizado e crescimento do estabelecimento de saúde e dos seus profissionais. Não adianta nada ouvir uma insatisfação, responder bem ao paciente e resolver a situação se tudo isso não servir de experiência para o futuro.

Após a resolução de um problema é importante conversar com a equipe para entender a sua causa e garantir que ele não acontecerá novamente.

Na era da comunicação, pacientes insatisfeitos têm muito mais espaço para reclamar e expor a todos as suas queixas ao seu atendimento, sem contar a grande oferta de serviços de saúde na atualidade, de forma que não faltam opções para escolher.

Por isso, aprenda a resolver a insatisfação dos pacientes e ofereça um serviço a cada dia com mais qualidade para eles.

E aí, gostou do texto? Então aproveite para curtir a nossa página no Facebook e acompanhar as nossas atualizações!

11 dicas para gestão de clínicas e consultórios médicos

Sem dúvida, uma gestão de clínicas e consultórios eficiente requer conhecimento — tanto por parte da equipe administrativa quanto pela equipe financeira. Afinal, é importante fazer uma análise de cada etapa do trabalho para garantir um serviço efetivo e individualizado.

O objetivo da equipe financeira é buscar oferecer serviços de qualidade, mas a um custo compatível com o orçamento. Nesse sentido, a gestão financeira tem que ser realizada de maneira metódica, o que demanda dedicação e tempo — assim como uma consulta médica.

Então, você conhece alguma estratégia para melhorar os serviços oferecidos, sem afetar a qualidade da assistência prestada em sua clínica ou consultório? É o que veremos neste post! Acompanhe nossas dicas:

1. Enumere os desafios dentro de sua clínica ou consultório

Para oferecer um serviço de qualidade em um ambiente repleto de variáveis, é fundamental estabelecer e manter os indicativos do controle financeiro. Quanto a isso, os principais pilares que desafiam a gestão financeira são:

  • gestão de informações contábeis;
  • gestão de caixa;
  • planejamento financeiro; e
  • gestão do fluxo da receita.

O objetivo, então, é interpretar todas essas informações de forma estruturada — com auxílio de um especialista na área — para garantir uma gestão sólida em informações financeiras.

2. Planeje a gestão de sua clínica

Também é importante estabelecer metas financeiras possíveis de serem alcançadas. Afinal, realizar um bom planejamento financeiro demanda um registro de gastos bem detalhado e estimativas de faturamento.

Grosso modo, esse planejamento financeiro permite ao empreendedor fazer uma avaliação mais real do crescimento da clínica. E é essencial que esse estudo seja feito para curto, médio e longo prazo. Assim, é possível decidir onde é necessário investir, e qual é a melhor hora para fazê-lo.

3. Contrate uma esquipe de consultoria

De fato, contratar uma consultoria pode ajudar sua clínica ou consultório a manter a gestão financeira organizada. Ela será capaz de realizar um diagnóstico preciso da sua situação financeira, bem como estabelecer um planejamento e auxiliar na gestão do caixa e da receita.

Além disso, com o auxílio de um especialista o risco de erros na gestão financeira diminui consideravelmente, sobrando mais tempo para você se dedicar ao atendimento e um serviço de qualidade.

4. Monitore suas despesas e receita

Um dos maiores desafios dentro das clínicas ou consultórios é realizar atendimentos e, ao mesmo tempo, cuidar do setor financeiro. Afinal, é preciso organizar os gastos referentes à compra de materiais, além dos pagamentos da equipe e da manutenção, em geral.

Justamente por isso, realizar um controle detalhado do fluxo de caixa é fundamental para a gestão financeira. Quanto mais detalhada for a anotação do fluxo de caixa e de todas as despesas da clínica, mais informações estarão disponíveis na hora de tomar decisões.

5. Controle os procedimentos realizados

Para otimizar a gestão financeira de consultórios, também é muito importante criar controle dos procedimentos. Vejamos alguns deles:

  • não misturar a conta bancária da empresa com a do empreendedor;
  • definir um pró-labore;
  • marcar um dia fixo para fazer o pagamento;
  • monitorar continuamente as finanças da empresa;
  • analisar o fechamento mensal e anual;
  • listar todos os tributos a pagar.

6. Use softwares de gestão financeira

Assim como contar com uma consultoria, ter um software de gestão ajuda muito a registrar e acessar os dados financeiros da sua clínica ou consultório. E isso, por sua vez, torna o controle e administração financeira bem menos complexo.

Nesse caso, procure por uma ferramenta de TI que ofereça os recursos de gestão financeira da clínica, como registro de despesas, fluxo de caixa, gráficos de entradas e lucros e emissão de notas.

7. Administre bem o uso dos materiais

Sem dúvida, um bom gerenciamento da clínica não pode deixar de administrar todos os materiais disponíveis. Afina, faz parte da gestão financeira orientar a esquipe para que não haja desperdício de material, já que o uso descontrolado influencia negativamente no caixa.

Além disso, há também a coordenação das compras, o armazenamento e distribuição dos materiais — etapas fundamentais para que não falte nenhum equipamento ou material necessário durante um atendimento.

8. Tenha um fundo de reservas

Por mais controle que se tenha sobre o negócio, sabemos que sempre podem surgir situações de emergência, como a quebra de um equipamento, o aumento do custo de certos materiais ou qualquer outro imprevisto. E ainda há o pagamento do 13º salário, indenizações que podem aparecer, demissões, remuneração de férias…

Por tudo isso, ter uma parte do caixa reservada é imprescindível. Com ele, sua clínica está assegurada financeiramente para gastar sempre que acontecer alguma necessidade inesperada.

9. Reduza os erros em gestão de clínicas e consultórios

Tanto nas clínicas quanto nos consultórios, existem certas dificuldades para implementar melhorias no setor financeiro, uma vez que não é fácil estabelecer a melhor maneira colocá-las em prática.

Aliás, um erro muito comum em grande parte das instituições de saúde é executar transformações muito rápidas na gestão, sem ter uma preparação adequada. Por isso a importância de um planejamento, com estabelecimento de prazos e cumprimento de metas.

10. Realize avaliações de desempenho

De fato, a avaliação constante dos pacientes é uma forma essencial de garantir um feedback dos seus serviços. Logo, é preciso ter um local onde opiniões e reclamações possam ser depositadas — mas de forma discreta, que não pressione nem constranja os pacientes.

Outra boa solução é enviar um e-mail ao paciente pedindo uma avaliação dos serviços prestados após a consulta. Você pode até sugerir que ele te mande dicas para melhorar a estrutura da clínica, o atendimento da equipe ou a consulta, propriamente dita.

11. Procure sempre aprimorar os seus conhecimentos

Por fim, como podemos ver, a área de gestão financeira de clínicas demanda atualização e monitoramento constante. Diante de tantas especificidades, é de suma importância acompanhar constantemente as notícias do mercado financeiro relacionadas à gestão em saúde.

Além disso, o estudo é essencial para aprimorar as habilidades e controlar melhor a qualidade da sua clínica ou consultório e a maneira como lidar com dinheiro.

Como opção de capacitação e aprimoramento, existem diversos cursos de gestão financeira disponíveis atualmente, justamente para que empreendedores estejam preparados para lidar com o mercado atual. O SEBRAE, por exemplo, oferece ótimos cursos para se aprender todos os conceitos em gestão de clínicas e consultórios.

Gostou do post sobre gestão de clínicas e consultórios? Agora, se quiser continuar por dentro de outros assuntos como esse, aproveite para curtir nossa página no Facebook e não perca nossos conteúdos!

7 boas práticas para fidelizar pacientes

Antes de começarmos a falar sobre como fidelizar pacientes, queremos lhe perguntar algumas coisas: Você trabalha bem seu marketing pessoal e do consultório? Tem uma boa relação com seus pacientes? Investe no conforto e no visual do espaço físico?

Esses são alguns questionamentos que você deve se perguntar quando o assunto for a fidelização dos seus pacientes. Tudo depende de planejamento, de estratégia e de comunicação para obter sucesso e ter seu consultório preenchido por clientes satisfeitos, que retornarão a você.

Não adianta muito ser o melhor em exames e diagnósticos médicos, mas ter uma clínica desagradável, em que não há conforto para o paciente esperar. E por falar em espera, cumprir a agenda e evitar atrasos também é muito importante para manter a satisfação do seu público.

Conheça agora 7 boas práticas para fidelizar pacientes:

1. Valorize a sala de espera de seu consultório

É onde o paciente tem o primeiro contato com seu consultório. Por isso, a importância de uma boa decoração, de um número adequado de acentos confortáveis e de maneiras de distração para que ele não perceba o tempo passar tão devagar. Aqui vão algumas dicas para já começar a aplicar no seu consultório:

  • jornais e revistas atuais — evite conteúdo velho e desatualizado;
  • TV moderna, ligada em algum canal agradável, de preferência algo informativo e dinâmico;
  • música ambiente agradável e em volume baixo;
  • internet Wi-Fi é praticamente indispensável hoje em dia, pois praticamente todo mundo tem um smartphone;
  • não deixe de oferecer água, café ou até alguns biscoitinhos para tornar a espera mais agradável.

2. Faça um atendimento de qualidade

Após o paciente chegar ao seu consultório e ter sua impressão com o ambiente, o segundo passo é o atendimento. Tenha uma equipe de funcionários bem treinados para respondê-lo de forma educada e clara. Desde o seu telefonema para agendar a consulta, o paciente já estará avaliando a maneira como é atendido.

Mais importante ainda é tratá-lo bem dentro do consultório. O paciente espera dias até conseguir um horário, depois algumas horas na sala de espera para, então, chegar ao consultório e receber o seu atendimento.

É fundamental saber ouvi-lo, cada queixa importa. Transpareça interesse e preocupação com os problemas trazidos por ele, mostre empatia, ou seja, se coloque no lugar dele.

Realize um atendimento humanizado, atencioso e individualizado. Este já um grande passo para conseguir fidelizar o paciente para que ele queira voltar ao seu consultório.

3. Melhore sua agenda de compromissos

Muitos pacientes reclamam da demora para ser atendidos, do número de consultas marcadas em horários tão próximos e da rápida duração do atendimento.

Isso acaba resultando em uma sala de espera cheia de pacientes insatisfeitos antes mesmo de serem atendidos por você. Organize sua agenda de forma que tenha um tempo maior para cada consulta.

Desta forma, os pacientes não precisam passar horas esperando e você pode realizar um atendimento melhor para cada um, com uma consulta no tempo que for necessário. Este passo é fundamental para quem busca melhorar o relacionamento médico-paciente.

4. Facilite o contato do paciente com seu consultório

Hoje em dia, telefonar é apenas uma das maneiras de marcar uma consulta médica. Existem diversas formas de fazer isto e trazê-las para seu consultório facilita o contato do paciente com sua equipe. Isto mostra o quanto você está atualizado nas tecnologias.

Além do telefone, divulgue e-mail, site, redes sociais e WhatsApp para que o paciente entre em contato. É essencial responder o quanto antes, se não de nada adianta oferecer as comodidades.

Já existem aplicativos específicos para agendamento de consultas online. Se mantenha informado e sempre se atualizando nas tecnologias. Afinal, poder ser que o concorrente já ofereça um serviço que você não tem e consiga captar mais clientes por conta disso.

5. Trabalhe bem o marketing para fidelizar pacientes

Tenha um site com bastante conteúdo, que seja interessante e atenda às principais dúvidas que aparecem no seu consultório. É provável que o paciente que entrar em seu site e se deparar com a matéria sobre um assunto que ele estava interessado em ler procure pelo seu atendimento.

A lógica do marketing é, primeiramente, produzir conteúdos de qualidade, como artigos, e-books etc. Depois você deve expor os serviços que o consultório tem a oferecer.

Isso cria uma relação com seu paciente, que irá sempre acompanhar e consumir os conteúdos em seu site e redes sociais.

6. Promova eventos em seu consultório

Outra ótima maneira de fortalecer o relacionamento com os seus pacientes é promovendo eventos dentro da sua área de atuação. Faça convites personalizados e nominais aos seus pacientes, demonstre que a presença deles é importante para o evento.

Esses eventos podem ser workshops, por exemplo. Você pode fazer uma breve aula, dando dicas simples sobre um assunto que seja muito corriqueiro em seu consultório e que atraia os pacientes.

Esta pode ser uma excelente maneira de eles conhecerem mais sobre seu consultório e sobre você e isto pode fidelizá-los e fazer com que voltem mais vezes.

7. Crie lembretes pós-consulta

Por fim, mas não menos importante, você, juntamente com sua equipe, deve criar lembretes para entregar ao paciente no fim da consulta sobre o dia e horário da próxima vinda dele ao consultório.

Outras formas de fazer isso, além do cartão de papel, são e-mail, SMS, WhatsApp, Facebook etc. Quão mais dinâmico, melhor será para criar proximidade e contato com o paciente.

Além de não correr o risco de perder o papel, usar meios digitais demonstra seu interesse em usar a tecnologia para lembrá-los do retorno à consulta.

Como você pôde ver, essas são algumas atitudes simples, porém, que fazem muita diferença dentro do seu consultório para fidelizar pacientes.

Por isso, comece colocando em prática os passos mais fáceis de implementar, como modernizar a sala de espera, e depois busque se diferenciar dos seus concorrentes utilizando softwares modernos e um site com conteúdo relevante para o seu público.

Gostou das nossas dicas sobre ambientação, atendimento e marketing para a fidelização de pacientes? Quer saber mais sobre como melhorar seu consultório ou clínica? Então assine a nossa newsletter para receber outras dicas valiosas!