Category

Marketing e fidelização

Category

WhatsApp Business: saiba como usar a seu favor no seu consultório

Hoje em dia é difícil encontrar uma pessoa que não tenha o WhatsApp instalado no celular e não o use diariamente. O aplicativo de conversas mudou a forma como as pessoas se comunicam, seja a conversa entre amigos ou as relações profissionais, como as relações entre o profissional de saúde e o paciente. O que muitos profissionais da área ainda não sabem é que o WhatsApp criou um aplicativo voltado especialmente para pequenas e médias empresas, que pode ser utilizado estrategicamente por clínicas e consultórios. É o WhatsApp Business. Quer descobrir mais sobre ele e saber como usar no seu consultório? Então, acompanhe o texto!

O que é o WhatsApp Business?

O WhatsApp Business é uma versão especial do WhatsApp voltada para os negócios, que conta com ferramentas especiais que ajudam os empreendedores na relação com os seus clientes. Na área da saúde, pode ajudar os profissionais e os gestores dos estabelecimentos na relação com os pacientes.

O principal objetivo é organizar o relacionamento com o cliente e permitir que as respostas sejam dadas de forma mais rápida. Afinal, o que todo mundo quer hoje em dia é agilidade. O aplicativo é como se fosse uma junção entre o WhatsApp tradicional com o Slack, que é um mensageiro com recursos inteligentes. A interface do aplicativo para os negócios é mais sóbria que a tradicional, mas os recursos continuam simples e os comandos intuitivos. As principais diferenças em relação ao WhatsApp tradicional são:

  • possibilidade de criar um perfil mais completo da empresa, com descrição dos serviços que são oferecidos, endereço físico, e-mail e site da empresa;
  • automatização de respostas rápidas para perguntas frequentes;
  • possibilidade de ser sincronizado a um telefone celular ou telefone fixo (o que possibilita que o telefone do consultório mesmo seja utilizado);
  • possibilidade de colocar os horários de atendimento detalhadamente, para que o cliente ou paciente possa para entrar em contato e ter uma resposta rápida;
  • selo de verificação dentro do aplicativo WhatsApp ao lado do seu nome na agenda, para que a pessoa o diferencie dos outros contatos.

Como ele funciona?

Como citamos, o aplicativo pode ser vinculado a um telefone celular ou telefone fixo. Seja qual for o telefone vinculado, a versão business do aplicativo deve ser baixada em um smartphone ou tablet. O mesmo número de celular pode ser usado para o WhatsApp tradicional e o business, mas, normalmente, recomenda-se usar números diferentes para evitar confusões.

A criação do perfil é o primeiro passo, que deve ser feito de forma cuidadosa. No caso de um consultório, por exemplo, é importante deixar claro as primeiras informações para o paciente: especialidades das consultas, horário de atendimento, convênios aceitos, endereço e site. Após criar o perfil da empresa, o usuário tem a opção de usar diversas ferramentas.

Automação de mensagens

É possível criar mensagens para respostas automáticas das principais perguntas. Alguns exemplos de respostas automáticas são:

  • informar ausência ou que a pessoa enviou mensagem fora do horário de funcionamento;
  • saudação após o primeiro contato do cliente;
  • criação de respostas rápidas relacionadas às palavras-chave das perguntas mais frequentes.

Estatísticas

Outra funcionalidade do aplicativo é a possibilidade de conferir as estatísticas sobre seu uso. O menu de estatísticas disponível nas configurações traz dados sobre mensagens enviadas, recebidas e lidas. Essa análise permite avaliar e testar a abordagem feita pelo WhatsApp Business em relação às outras formas de comunicação com o paciente.

Aplicabilidade

A versão business, assim como a versão tradicional, permite o compartilhamento de todos os tipos de conteúdo, isto é, a empresa pode enviar textos, vídeos, áudios, documentos em pdf e imagens. Isso permite maior campo de atuação da empresa e mais possibilidades de marketing.

Etiquetas

Um recurso que ajuda muito as empresas a organizarem as conversas que têm com seus clientes pelo WhatsApp Business é a classificação das conversas com etiquetas. Por meio dela, é possível colocar uma etiqueta em cada conversa para categorizá-la, de acordo com o tipo de conversa.

A conversa pode ser classificada como: reclamação, marcação de consulta, primeiro contato, dúvidas sobre serviço, entre outras. A classificação é personalizável, isto é, você pode criar as etiquetas que quiser e que se aplicarem ao seu negócio.

Como utilizá-lo na área de saúde?

Agora que você entendeu um pouco mais sobre o aplicativo e como ele funciona, daremos algumas dicas de como utilizá-lo a favor da sua clínica ou consultório.

Regras para utilização

Primeiramente, é importante lembrar que o marketing e a relação com o paciente na área de saúde seguem algumas regras específicas, diferentes daquelas de outras áreas. É preciso estar atento a essas regras ao utilizar o WhatsApp Business.

As principais regras são as mesmas aplicadas às outras redes sociais, presentes no Manual de Publicidade Médica, produzido pelo Conselho Federal de Medicina (CFM). Mais especificamente, o CFM divulgou em 2016 um parecer sobre o uso do Whatsapp entre médicos e pacientes, que traz algumas considerações:

  • o WhatsApp não pode ser usado para a realização de uma consulta completa;
  • o contato pelo aplicativo não pode ser remunerado;
  • é permitido realizar agendamento de consultas, distribuir materiais educativos e solucionar dúvidas.

Dicas de utilização

Todas as ferramentas do aplicativo podem ser utilizadas pelo consultório para melhorar o relacionamento com o paciente e facilitar a comunicação. O ideal é determinar um horário de atendimento comercial para todas as questões que possam ser resolvidas pelo aplicativo (marcação ou remarcação de consultas, resolução de dúvidas etc.).

Algumas dicas que podem ajudar a usar o aplicativo no consultório:

  • preencher o perfil da forma mais completa possível, para que o paciente já consiga sanar grande parte das dúvidas sem ter de enviar mensagens;
  • determinar um horário para a secretária responder as mensagens enviadas, priorizando as mensagens mais importantes;
  • enviar pelo aplicativo materiais educativos relativos à questão de saúde do paciente (por exemplo, um guia de introdução alimentar infantil para uma mãe que vai levar seu bebê para se consultar com o pediatra);
  • direcionar o paciente para outras páginas do consultório, quando pertinente, como o site ou página do Facebook;
  • enviar mensagens para manter a relação de pós-atendimento com o paciente.

WhatsApp Business

Como vimos, o WhatsApp Business é mais uma ferramenta tecnológica que pode ajudar a sua clínica a se relacionar melhor com os clientes, proporcionando mais satisfação e tendo a possibilidade, até mesmo, de atrair novos pacientes.

E aí, quer continuar lendo sobre o assunto? Então não perca tempo e acesse o nosso texto sobre marketing odontológico!

Como a qualidade no atendimento ao cliente pode gerar mais produtividade?

Prezar pela alta qualidade no atendimento ao cliente proporcionará satisfação sobre os serviços e aprimoramento contínuo das atividades realizadas. A consequência direta disso é o aumento da produtividade.

Além desses fatores, é fundamental obter tecnologias de diagnóstico e terapêutica eficientes, trabalhar com a proposta de humanização no atendimento e fazer levantamento dos indicadores gerenciais. Dessa forma, a análise desses aspectos trará um panorama da situação clínica e gerencial da instituição e norteará as principais medidas as serem implantadas para melhorar ou modificar a atividade existente.

Entenda como a qualidade no atendimento ao cliente aumenta a produtividade nas instituições de saúde e confira as dicas que daremos a seguir para melhorar a produtividade!

Investimento em recursos tecnológicos

A tecnologia foi incorporada em todos os segmentos do cotidiano, não sendo diferente nos processos clínicos. A evolução tecnológica proporcionou mais agilidade nos atendimentos ao paciente, melhoria nos procedimentos ambulatoriais e controle do faturamento das contas hospitalares.

No entanto, a grande diversidade de recursos tecnológicos existentes no mercado pode dificultar a escolha do gestor. É preciso entender quais são os benefícios esperados, além de dar atenção ao custo de implantação e manutenção.

Sendo assim, é importante analisar previamente com a equipe clínica, administrativa e financeira quais são as ferramentas essenciais que facilitarão o fluxo de trabalho existente. Assim, será possível escolher os recursos mais adequados à complexidade da instituição.

Além disso, no momento da escolha, é fundamental que os representantes dos setores sejam consultados. Eles devem avaliar a viabilidade da implantação, bem como as vantagens e desvantagens de cada proposta.

Sabendo que os recursos tecnológicos podem ser aplicados desde o processo de integração de dados dos pacientes até ao melhoramento do diagnóstico e terapia, é interessante apontar quais devem ser implantados prioritariamente.

Essa análise é essencial para a manutenção da sua saúde financeira. Um planejamento adequado para sua execução deve considerar, também, os custos de treinamento e ajustes das tecnologias já existentes na empresa.

Uso de indicadores efetivos

A qualidade no atendimento ao cliente pode ser mensurada por meio de diversos indicadores, a fim de mostrar os pontos positivos e negativos da assistência. Nesse contexto, existem ferramentas já idealizadas no mundo corporativo e outras que podem ser personalizadas para atender ao perfil assistencial.

Dessa forma, os indicadores devem refletir as seguintes demanda dos gestores:

  • infraestrutura adequada;
  • otimização de tempo no atendimento;
  • tempo de espera entre consultas;
  • cordialidade do profissional clínico;
  • capacidade de resolução de problemas pela equipe administrativa etc.

A partir da escolha dos indicadores, é aconselhável quantificar e aprimorar os pontos positivos e programar ações para mudanças nas questões com avaliação negativa. Assim, será possível deixar o serviço com o perfil desejado pelo cliente.

Além disso, é interessante publicizar as principais intervenções realizadas a partir do diagnóstico apresentado, mostrando respeito e consideração com a opinião dos frequentadores.

Avaliação do desempenho dos profissionais

A produtividade em um ambiente de saúde está diretamente relacionada ao comprometimento, à disciplina e à atenção dos profissionais envolvidos. Essa ferramenta deve ser avaliada desde a recepção do paciente até a finalização da consulta médica.

Sendo assim, alguns fatores de desempenho dos profissionais serão fundamentais para garantir a produtividade tais como:

  • eficiência na inserção de dados no computador;
  • conhecimento para solicitar a documentação de cada convênio na recepção;
  • habilidade para se comunicar com os diferentes tipos de paciente, entre outros.

Para os profissionais clínicos, devem ser avaliadas questões como tempo para desenvolver a primeira consulta e atendimento de retorno, avaliação de exames laboratoriais e radiológicos, capacidade de resolução dos problemas apresentados pelos pacientes etc.

Também devem ser pesquisados os atrasos injustificáveis, a dificuldade para inserir informações relevantes sobre o estado clínico do paciente, a falta de interação com demais colegas de profissão e de outras áreas clínicas, entre outras situações.

Conhecendo os pontos negativos que afetam significativamente um ambiente de saúde, é interessante motivar os colaboradores quando a rotina está sendo realizada de forma eficiente para melhorar o clima organizacional.

Implantação de estratégias com bons resultados

As instituições de saúde devem estar sempre em busca das melhores estratégias assistenciais, administrativas e logísticas. Quando todas essas opções estão integradas, o resultado final facilita consideravelmente as próximas ações.

Uma das ferramentas de organização de grande utilidade e que foi adaptada para a área da saúde é a Lean Healthcare. A filosofia foi adaptada do meio corporativo automobilístico e preconiza a redução de desperdício e o aumento da produtividade.

Nesse sentido, a implantação da informatização dos serviços clínicos reduz significativamente a impressão de papéis, assim como o tempo para o preenchimento de formulários e fichas cadastrais. Outro objetivo esperado com essa filosofia é a eliminação dos erros procedurais, com elaboração de rotinas padronizadas, treinamento dos colaboradores e avaliação contínua da efetividade dessas práticas.

O Lean Healthcare também tem como propósito a redução de processamento inadequado, principalmente evitando as glosas hospitalares, como outras atividades preveníveis nesse contexto.

Uso de aplicativos inteligentes

A implantação de aplicativos inteligentes é uma etapa crucial para melhorar a qualidade no atendimento ao cliente e propiciar mais produtividade nas atividades executadas. Assim sendo, é interessante adotar esses softwares nas clínicas e verificar a satisfação de todos os usuários.

As principais funcionalidades desses aplicativos se relacionam à redução de custos por meio de automatização dos processos de trabalho, inserção de prontuário eletrônico, cadastro completo de pacientes com envio de lembretes de consultas, entre outros fatores.

Os aplicativos mais completos também emitem prescrição eletrônica para os profissionais, assim como atestados e declarações. Essas facilidades garantem uma assistência eficiente e dinâmica aos gestores, profissionais e pacientes.

Outras vantagens desses aplicativos inteligentes são a possibilidade de consultar o CID 10 e o bulário médico. Além disso, fornecem orientações com prescrições mais frequentes e opções de fórmulas magistrais para serem personalizadas durante a consulta com o paciente.

Qualidade no atendimento ao cliente

Investir em qualidade no atendimento ao cliente pode gerar mais produtividade do que se imagina! Mas é preciso implantar técnicas adequadas, investir constantemente em treinamento e tecnologia e apurar as principais demandas do mercado em saúde, principalmente em relação ao processo de humanização do atendimento e ao uso de aplicativos inteligentes.

Então, agora que já entendeu como aumentar a produtividade nos serviços em saúde, não deixe de conferir as funcionalidades do nosso software!

Você sabe qual é a importância do atendimento personalizado?

O atendimento personalizado é, antes de tudo, uma forma de manifestar respeito e atenção. Faz com que o cliente perceba que você se importa com ele e, assim, aumenta a confiança e tranquilidade dele de que está recebendo o tratamento adequado.

Essa abordagem vale tanto para o atendimento clínico quanto para a recepção, o agendamento de consultas e procedimentos diversos. Basicamente, a ideia parte do princípio de que cada pessoa tem necessidades, expectativas e preferências diferentes e, em razão disso, precisa de respostas adequadas.

Neste texto você vai entender como aplicar um atendimento personalizado, como isso fortalece sua imagem profissional, a confiança que depositam em você e torna o seu dia a dia de trabalho mais agradável e prazeroso. Boa leitura!

Quais os limites do atendimento personalizado na medicina?

Quando um médico atende um paciente ele precisa seguir padrões técnicos adequados que não podem sofrer interferências que comprometam o resultado. Contudo, o atendimento personalizado não se trata de abrir mão das melhores práticas da medicina ou dos critérios que adotou como essenciais para um bom diagnóstico e tratamento.

O que é de fato importante é como o paciente percebe o atendimento e quanto considera que ele foi moldado para garantir que o seu problema seja resolvido. Para entender isso melhor, vamos usar um exemplo. Confira:

Como é o atendimento personalizado?

Digamos que você decidiu que vai oferecer a possibilidade de pagamento com cartão em algumas clínicas que atende. Então, você liga para um banco onde mantém conta para saber como funciona. O gerente não está e o profissional que lhe atende lhe envia alguns formulários e uma lista padronizada de documentos que você precisa entregar — os mesmos exigidos de empresas que querem oferecer essa modalidade de pagamento.

Dentre as exigências estão algumas que não são compatíveis com o seu caso, pois, como médico, você atua como autônomo e não uma empresa. Então, você retorna a ligação e explica isso, mas o atendente diz que não pode fazer nada e que todos precisam apresentar as mesmas comprovações e documentos.

Porém, no outro dia o gerente lhe procura. Ele informa que o banco inaugurou um departamento exclusivo para o atendimento de médicos, que soube que você procurou informações sobre formas de pagamento e que pode enviar um profissional especializado no atendimento de médicos ao seu consultório.

No dia seguinte esse profissional fica lhe aguardando para atender no intervalo de uma consulta e transmite as informações com rapidez — assim como fazem os representantes de medicamentos. Dessa vez, os formulários e exigências são adaptados ao seu caso. Fácil de perceber a diferença, não é mesmo?

Mesmo que você tivesse outras opções mais baratas, é provável que você preferisse esse tipo de atendimento. É mais confortável para você, poupa seu tempo e é mais confiável — uma vez que sabem como funciona sua rotina e o que você precisa.

Como elaborar o atendimento personalizado?

No caso do atendimento que recebeu ao telefone dificilmente o bancário conseguiria lhe prestar um atendimento personalizado. Isso porque ele não conhece as particularidades sobre você e está preso às regras que ensinaram que ele precisava aplicar.

É por isso que a primeira medida que você precisa tomar para personalizar o atendimento ao seu cliente é o de garantir informação segura sobre seus pacientes. Da mesma forma que você usa o prontuário para registrar dados clínicos e de exames, precisa armazenar detalhes sobre o seu paciente.

Dentre essas informações, você pode relacionar preferências, registrar reclamações, o que ele achou do ambiente, dos horários disponíveis, como é sua rotina, como chegou até você, o que ele valoriza no atendimento e assim por diante.

O ideal é que você use um sistema informatizado para esse fim — o que também é válido para os prontuários. Informações em papel são difíceis de armazenar e, principalmente, de consultar na hora que você precisa. Agora, confira algumas dicas importantes sobre atendimento personalizado:

1. Ofereça exclusividades

O atendimento especializado não precisa, necessariamente, ser voltado para um único paciente. Você pode oferecer serviços personalizados que agradem o público que costuma frequentar seu consultório. Digamos que a maioria deles seja de idosos, qualquer facilidade de acesso ao prédio e outras ações que facilitem em relação às limitações da idade, serão bem aceitas.

2. Comunique a personalização

A personalização pode aumentar o custo dos serviços e exigir maior dedicação. Por isso, você tem limitações em relação ao que pode fazer para personalizar o atendimento. Por outro lado, a forma como você se comunica pode ser adaptada a cada caso sem dificuldades.

No mesmo caso do idoso, por exemplo, é aconselhável usar um volume de voz mais alto. Um estrangeiro pode precisar que você fale mais devagar e assim por diante. Além disso, sempre que for possível informe seu paciente quando ele estiver recebendo algo personalizado — como fez o gerente do banco ao dizer que lançaram um serviço exclusivo para médicos.

3. Estabeleça um contato pessoal

O distanciamento do paciente não é indicado do ponto de vista de um atendimento personalizado. Chamá-lo pelo nome, demonstrar que conhece um pouco da vida dele, de seus hábitos e preferências, ajuda a demonstrar o nível de personalização do atendimento.

4. Seja coerente

O atendimento personalizado não é um ato isolado. Por exemplo, não adianta colocar uma rampa com corrimão para facilitar o acesso dos idosos ao consultório, mas esquecer-se de disponibilizar uma cadeira no balcão de recepção e deixá-lo ser atendido em pé. A personalização envolve preocupação com cada detalhe.

5. Cumpra as promessas

Outra atitude que não adianta é se empolgar em oferecer personalização e, por fim, prometer o que não pode ser cumprido. Por isso, o ideal é que você planeje os detalhes do atendimento de modo a evitar imprevistos. Se tiver dúvidas com relação a algum detalhe, não é preciso anunciá-lo previamente.

Nesse caso, é melhor não prometer e, caso seja possível, oferecer algo adicional posteriormente. As pessoas adoram surpresas positivas e odeiam as negativas.

Para concluir nosso texto sobre atendimento personalizado, faltou dizer a razão de isso tornar o seu dia a dia mais confortável. Pois bem, lembra-se do profissional do banco que supostamente lhe atenderia no consultório?

Imagine como esse tipo de atendimento evita conflitos, facilita o relacionamento e aumenta a confiança que você deposita nele. A mesma situação acontece com seus pacientes. Até mesmo suas orientações são mais facilmente aceitas.

Agora, deixe seu comentário no post. Esse é um excelente tema para manifestar sua opinião, trocar experiências ou até mesmo deixar uma dúvida!

Por que fazer especialização em uma área? Conheça 6 razões

Entender por que fazer especialização após a conclusão da graduação e os benefícios que essa titulação traz é o primeiro passo para engajar na atualização dos conhecimentos científicos.

Para quem trabalha na saúde, a escolha por uma especialização impacta tanto nos aspectos de reserva de mercado quanto no aumento da gratificação remuneratória advinda com essa melhoria no currículo.

A especialização pode ser um curso na modalidade autorizada pelos órgãos institucionais como lato sensu ou no sentido de garantir um conhecimento específico na carreira médica. No primeiro caso, o programa metodológico deve contemplar mais de 300 horas de estudo e elaboração do trabalho de conclusão de curso.

Para obter a especialidade em medicina é preciso fazer a graduação e a residência em áreas comuns tais como a clínica médica ou cirurgia geral. Em seguida é importante detalhar a função específica tais como pediatria, hebiatria, entre outros. Nesses casos, o tempo de especialização varia conforme a complexidade do atendimento clínico.

Independente do curso a ser realizado, o importante é tomar a decisão, procurar as melhores instituições de ensino e compatibilizar os custos e tempo para essa empreitada tão necessária nos dias atuais.

Por isso, descubra neste post de hoje as principais razões para melhorar seu currículo acadêmico por meio de especializações o mais breve possível.

1. Atualização de conhecimentos em saúde

Com os recursos em diagnóstico disponíveis atualmente e as constantes pesquisas em andamento é natural que os conceitos clínicos evoluam para corroborar os aspectos já existentes ou refutar os mais duvidosos.

Além disso, os profissionais de saúde que adotam procedimento ultrapassado podem comprometer a assistência clínica prestada ou aumentar o custo com procedimentos sem respaldo científico. Nesse sentido, o indivíduo precisa conhecer as tecnologias mais modernas, aperfeiçoar a assistência clínica e garantir tratamento humanizado, demandas que são crescentes nesse meio.

Por isso que a especialização tende a atualizar os conhecimentos sobre as novas condutas terapêuticas, equipamentos e acessórios mais modernos e os recursos farmacológicos mais eficazes.

Nesse sentido, pode-se observar que os benefícios serão clínicos, econômicos e humanísticos e todos os envolvidos serão recompensados pela adoção de práticas eficientes e modernas.

2. Maior reconhecimento do profissional

Entender por que fazer especialização vai além da aquisição de conhecimentos.  O reconhecimento profissional e o prestígio social perante a conclusão dessa etapa são percebidos em pouco tempo.

O profissional que se atualiza mantém uma importância perante as demais pessoas. Além disso, devido à bagagem acadêmica, podem almejar projetos e atividades mais complexas, uma vez que já possuem embasamento para desenvolver trabalhos que exijam maior capacidade de análise.

3. Progressão na carreira

As titulações obtidas com muito esforço e dedicação gerarão frutos em longo prazo, principalmente para aqueles profissionais em início de carreira.  Além dos saberes adquiridos, o profissional terá uma ascensão mais rápida na carreira em detrimento aos que não acham importante a especialização.

Além disso, a especialidade médica é uma exigência para direcionar os atendimentos clínicos. Porém, as titulações obtidas em outro nível garante o aprofundamento de um tema específico, que pode ser aquele requerido para a instituição de saúde.

Exemplo disso são os médicos com especialidade em cirurgia, mas que obtém o mestrado em procedimentos cirúrgicos com técnicas minimamente invasivas. Ou o neurocirurgião que apresenta uma dissertação ou tese sobre cirurgias oncológicas no cérebro.

Essas distinções serão fundamentais também para fins de gratificações em serviços públicos após comprovação do período probatório ou na seleção do candidato mais apto em processos seletivos de instituições privadas.

4. Confiança ao tomar decisões

O profissional clínico que se especializa tem maior domínio técnico, científico e prático para fazer intervenções terapêuticas. Seus conhecimentos diferem dos outros indivíduos que não dominam determinado procedimento ou as novas tendências médicas.

Sendo assim, um profissional em especialização poderá tomar decisões avaliando os aspectos já abordados em cursos científicos de alto nível e não apenas se concentrar em situações cotidianas.

Essa troca de experiências entre os colegas de saúde e a discussão de casos clínicos torna o profissional mais confiante para tomar decisões, pois está familiarizado com diversas situações, desde as mais simples até as mais complexas.

5. Aumento da rede de contatos

Um dos motivos que poucos desconhecem e somente percebem essa importância ao longo do curso de especialização é a ampliação da rede de contatos profissionais. Indivíduos que estão procurando um lugar no mercado de trabalho convivem com outros já experientes.

Essa troca de aprendizado pode render novas parcerias, indicações de trabalho ou mesmo amizades duradouras. Também é possível trabalhar conjuntamente para montar clínicas multidisciplinares e aumentar o marketing médico.

O aumento da rede de contatos, além de ser saudável para todos os indivíduos, promove momento de confraternização entre os profissionais e ajuda a diminuir a tensão diária que os mesmos sofrem.

6. Flexibilidade para o aprendizado

Os profissionais de saúde atualmente se revezam entre as diversas instituições que prestam assistência. Muitos emendam um plantão no outro e, devido a isso, possuem pouco tempo disponível.

Mesmo diante desse cenário desanimador, é possível atualizar os conhecimentos clínicos e se tornar um profissional de excelência. Isso porque existem diversas modalidades de ensino com aulas semipresenciais ou totalmente à distância.

Se a disciplina e a força de vontade e necessidade crescente de atualização sobreporem à justificativa da falta de tempo, o próximo passo é buscar cursos que sejam compatíveis com a rotina do profissional.

Por que fazer especialização

Saber por que fazer especialização na área da saúde faz com que a profissional saia da zona de conforto e busque formas de melhorar seus conhecimentos. As vantagens são diversas e incluem desde atualização científica, progressão na carreira e confiança na tomada de decisões até ampliação da rede de contatos e facilidade no processo de aprendizagem.

Por isso é importante selecionar instituições de ensino renomadas, buscar referências de outros profissionais e reorganizar os horários para se dedicar aos estudos. Assim, terá como aproveitar os conceitos ensinados com a prática clínica.

E você, já iniciou sua especialização? Está procurando novas oportunidades de crescimento na carreira profissional? Ainda precisa de mais informações sobre esse tema? Então, siga a nossa página no Facebook e fique por dentro das nossas postagens!

Especializações em medicina: afinal, como escolher corretamente?

A graduação em medicina é apenas o primeiro passo na vida profissional de qualquer médico. Como sabemos, existem inúmeras áreas de atuação médica, com diferenças consideráveis na realidade diária de trabalho, que envolvem tipo de paciente, regime de horas trabalhadas, local de trabalho, contato direto ou indireto com o paciente, tipos de procedimentos realizados e anos de especialização.

Essa gama de possibilidades pode deixar os futuros médicos confusos, por isso, vale a pena começar a pensar no assunto desde os primeiros semestres da faculdade. Afinal, essa escolha terá influência sobre toda a sua carreira médica pela frente.

No texto de hoje, trouxemos algumas dicas para te ajudar a escolher corretamente entre as várias especializações em medicina. Acompanhe!

Por que buscar especializações em medicina?

Em primeiro lugar, é preciso entender a importância de se realizar uma especialização em medicina. A especialização permite que o médico atue na sua área de interesse principal, expanda seus conhecimentos específicos e, consequentemente, aumente a qualidade da sua formação.

O Brasil apresenta uma grande carência de profissionais médicos, principalmente nas pequenas cidades. Isso significa que mesmo os médicos recém-formados provavelmente não terão problemas para encontrar vagas de trabalho.

Mesmo assim, é importante pensar na importância da especialização em longo prazo. Ela permite que o profissional atue em áreas mais específicas do cuidado, como em maternidades, unidades de terapia intensiva e ambulatórios de especialidade, e direcione a sua atuação de acordo com sua preferência.

Há diferentes formas de especialização para médicos, porém, a residência em saúde é a mais recorrente. Ela é uma modalidade de ensino teórico-prática, realizada em serviços de hospitais credenciados.

Como escolher a especialização certa?

As diferentes especialidades e subespecialidades somam mais de 50 áreas que podem ser escolhidas pelos médicos, por isso, o processo de escolha pode ser um pouco mais demorado.

Entre as principais áreas, podemos citar clínica médica e suas especialidades (como nefrologia, pneumologia e cardiologia), cirurgia (como torácica, geral e urológica), pediatria, obstetrícia, anestesia, ortopedia, radiologia, oftalmologia, psiquiatria, medicina intensiva, medicina na família, entre tantas outras.

A seguir, confira algumas dicas práticas para te ajudar a fazer a escolha certa:

1. Momento para fazer a escolha

Muitos alunos acham que já escolheram a sua especialidade antes mesmo de ingressar na faculdade de medicina, o que não costuma ter sucesso. É preciso ter tido um mínimo de contato com cada área, para entender a realidade da prática e as atribuições do médico que a escolhe.

O interessante é fazer a escolha no último ano de residência, de acordo com as experiências vividas até o momento, e selecionar a área escolhida nas provas de residência. Entrar na residência logo após terminar a faculdade pode ser uma ótima escolha para não perder o “pique” dos estudos.

Algumas pessoas chegam ao fim da graduação ainda em dúvida, sem saber que área seguir. Para elas, pode ser melhor ingressar no mercado de trabalho como médico generalista e buscar experiência e conhecimentos que o ajudarão a fazer a escolha com mais confiança.

2. Perfil do paciente atendido

Você pode amar uma área específica, mas lembre-se de que ela quase sempre estará relacionada a um tipo específico de paciente. Por exemplo, não adianta querer fazer pediatria se você não gosta de lidar com crianças, pois o dia a dia de trabalho se tornará insuportável.

Cada área tem um perfil de paciente que inclui média de idade, tipos de patologias, maior ou menor possibilidade de cura, grau de exigência, complexidade dos casos, tipo de relação com familiares. Esses aspectos precisam ser levados em consideração, já que representam grande parte do cenário de atuação em cada especialidade.

3. Tipo de regime de trabalho

Os regimes de trabalho podem mudar drasticamente de uma especialidade para outra. Se você gosta de trabalhar por muitas horas seguidas em regime de plantão, a cirurgia e a medicina de urgência podem ser boas áreas. Por outro lado, se você se identifica mais com o trabalho ambulatorial, considerado mais “calmo”, deve procurar especialidades como dermatologia e oftalmologia.

Algumas perguntas são essenciais:

  • Você quer ter flexibilidade de horários?
  • Quer trabalhar com agenda marcada?
  • Quer trabalhar em regime de plantão ou como diarista?

Cada especialidade costuma ter seu regime de trabalho próprio, por isso, é preciso buscar informações sobre cada uma.

4. Teste vocacional médico

Alguns alunos e médicos já formados têm uma dificuldade maior para fazer a escolha da especialização, por sentirem que gostam de todas as áreas ou que não gostam de nenhuma em particular. Para os mais indecisos, uma boa ideia é fazer um teste vocacional médico.

Ele é parecido com um teste vocacional comum, no qual são coletadas informações sobre a pessoa para indicar em qual área ela se “encaixa”.

Você pode fazer testes onlines gratuitos, oferecidos por universidades e outras instituições. Mas também vale a pena buscar um coach profissional, que te ajudará nessa escolha tão importante, a partir da análise das suas características, de seus objetivos e da sua realidade.

5. Demanda financeira

Não existe uma tabela oficial que nos mostre a média salarial de cada especialidade médica, mas é sabido que a remuneração pode ter grande diferença de uma área para outra. Essa é uma informação importante de ser coletada antes da escolha, porém, o retorno financeiro não deve ser o único motivo para a decisão final. Afinal, a categoria médica como um todo tem uma boa remuneração.

Algumas especialidades, como a radiologia, oferecem um salário inicial maior, mas com menor aumento em longo prazo. Já as especialidades cirúrgicas oferecem menor remuneração inicial, mas com um grande potencial de crescimento de acordo com a experiência do médico.

Lembre-se de que é possível ser financeiramente bem-sucedido em todas as áreas: basta que haja esforço, dedicação e muito estudo.

6. Opinião de especialistas

Para finalizar, trazemos uma dica que pode fazer toda a diferença. Quem é a pessoa que mais sabe sobre cada especialidade? O próprio médico que trabalha nela! Por isso, ele é a melhor pessoa para te passar informações condizentes com a realidade.

Se você se interessa por alguma área, busque especialistas que já estão na prática há alguns anos. Assim, você poderá entender melhor a atuação desse profissional e ter maior conhecimento sobre a sua realidade.

As especializações em medicina são muitas, e a escolha demanda alguns cuidados e truques que esperamos ter trazido para você neste post.

Se você gostou do texto de hoje, aproveite para seguir nossa página no Facebook e acompanhar as nossas atualizações!

Atendimento humanizado: saiba como aplicar em clínicas

Atendimento humanizado é uma denominação técnica que resgata os valores e conceitos das relações humanas que se perderam em meio ao mecanicismo das consultas médicas e a utilização demasiada da tecnologia.

As vantagens em sua implantação se relacionam ao melhor entendimento dos problemas clínicos do paciente, instituição de terapias efetivas e maior poder de fidelização desses indivíduos.

Além disso, as ferramentas para o desenvolvimento do atendimento humanizado não requerem grandes modificações na rotina e podem ser aplicadas em empresas médicas de qualquer porte.

Quer saber como aplicar a humanização do paciente em sua clínica? Então, acompanhe nosso post de hoje e desenvolva essas práticas!

Entenda seu paciente

O atendimento humanizado pressupõe acolher o paciente em todos o seus aspectos biopsicossociais. Nesse sentido, além das queixas clínicas relatadas pelos pacientes, é preciso investigar as condições ambientais e sociais onde ele vive.

Dessa forma, pacientes que residem em condições higiênico-sanitárias precárias dificilmente relatarão todos os detalhes por vergonha ou falta de percepção da situação.

Além disso, questionar os hábitos alimentares e as rotinas da família são informações valiosas que fornecerão um panorama das relações existentes entre os indivíduos e os que os cercam.

Por outro lado, o indivíduo com condição socioeconômica elevada poderá apresentar distorções de conceitos clínicos devido a busca prévia de informações na internet em sites sem credibilidade científica reconhecida.

Livre-se dos preconceitos

Os julgamentos de valor ético e moral não podem direcionar uma consulta médica ou definir a conduta terapêutica mais apropriada. Rotular os pacientes pelos seus comportamentos tende a distanciar as relações humanas.

Todavia, o bem-estar do paciente deve estar acima de qualquer situação e isso deve ser bem esclarecido entre os envolvidos. Intervenções terapêuticas sem comprovação científica ou com efeitos duvidosos não podem ser aplicadas.

As decisões devem ser tomadas levando em consideração as vontades do paciente após apresentação prévia dos benefícios e riscos das intervenções clínicas. Em algumas situações, o médico pode dar um depoimento de quem já passou por um procedimento similar para compartilhar os sentimentos vivenciados.

Além disso, o médico deve se sentir confortável para questionar situações que sejam de interesse clínico, que podem influenciar no diagnóstico ou prognóstico, porém com ações que evitem o constrangimento.

Trate com igualdade

Segundo os preceitos humanitários, é fundamental tratar todos os pacientes em igualdade. Isso significa que não haverá preferência no atendimento conforme definição de raça, etnia, condição financeira, ou outras variáveis.

Todavia, é preciso analisar a condição clínica do paciente e a complexidade do quadro para não incorrer em erros preveníveis. Essa avaliação caberá ao médico que analisará as queixas e as alterações nas funções fisiológicas apresentadas.

Um tratamento de respeito pressupõe a preocupação com o discurso do paciente, porém direcionando a investigação para os aspectos relevantes que contribuirão para formalizar o diagnóstico clínico.

Invista em mudanças

A proatividade é uma característica que alerta para os possíveis problemas. Por meio de uma análise minuciosa do perfil de paciente atendido, é aconselhável elaborar estratégias diferentes para acolher o paciente.

Nesse sentido, além do ambiente externo confortável que não caracteriza objetivamente um consultório clínico, é interessante instalar bebedouros, televisão, oferecer lanchinhos e informativos visuais na sala de espera.

Adicionalmente, deve-se prezar pela resolução das questões administrativas, tais como solicitação da autorização do plano de saúde, cadastro das informações gerais do paciente, conferência dos exames clínicos, etc.

Treine sua equipe

O treinamento da equipe clínica e administrativa para atender satisfatoriamente os pacientes deve ter como foco o letramento em saúde. Esse conceito é entendido com o nível de conhecimento em saúde e as mudanças no estilo de vida a partir desses saberes.

Sendo assim, a equipe administrativa deve investigar o nível do letramento e conduzir suas atitudes baseadas também nesse parâmetro. Isso facilitará a organização dos prontuários e as condutas clínicas dos médicos.

Para a equipe clínica é necessário um estudo aprofundado sobre o tema, pois essa ferramenta contribuirá para maior adesão às terapias farmacológicas, facilitará o entendimento sobre a realização de procedimentos cirúrgicos e estreitará as relações terapêuticas.

Deve-se ressaltar que o letramento em saúde não está relacionado ao nível de escolaridade, uma vez que pacientes com formação universitária podem apresentar taxas menores se comparado aos analfabetos.

Isso se justifica devido à formação de conhecimentos em outras áreas (humanas, exatas) ou ao desinteresse por assuntos clínicos. Alguns pacientes sem instrução conseguem perceber a gravidade dos problemas clínicos e modificar os hábitos mais rapidamente do que os indivíduos com outros níveis educacionais.

Utilize recursos eficazes

A inserção dos recursos tecnológicos propiciou uma revolução na medicina diagnóstica e terapêutica. Por isso, investir nessa ferramenta é imprescindível para garantira melhora da qualidade de vida ou diminuição dos riscos ao paciente.

Nesse contexto, é importante adquirir tecnologias que investiguem alterações fisiológicas em menor tempo, organizem dados clínicos e medicamentosos em plataformas informatizadas e transmitem informações em tempo real.

Essas ferramentas tendem a diminuir o tempo para transcrição manual de informações e, com isso, possibilitam que os médicos dediquem mais atenção às queixas e menos no preenchimento de formulários.

Saiba ouvir seu paciente

Infelizmente no mundo de hoje, as pessoas estão mais conectadas virtualmente do que presencialmente e esse comportamento é evidenciado inclusive nos ambientes clínicos em saúde.

Por isso, é fundamental dar atenção ao paciente, entender suas queixas, avaliar a experiência subjetiva frente à doença e a utilização dos medicamentos, além de buscar entender os motivos do paciente quando ele demonstra acreditar em terapias não científicas.

Isso porque alguns pacientes são carentes e gostam de longas conversas enquanto outros são mais objetivos e solicitam um diagnóstico mais rápido. Entender cada um deles é o grande diferencial do atendimento humanizado.

Atendimento humanizado

O atendimento humanizado é um resgate do modelo biomédico em que os profissionais dedicam mais tempo às queixas do paciente e menos às questões administrativas e tecnológicas. A humanização das relações terapêutica fortalece o vínculo, fideliza o paciente e garante tratamento de acordo com os desejos do indivíduo. Sendo assim, é fundamental estabelecer estratégias eficazes para implantar esse modelo e melhorar o atendimento da clínica.

E você, já implantou o atendimento humanizado em sua clínica? Quais estratégias você utiliza para melhorar a assistência ao paciente? Gostou do nosso texto? Então, compartilhe essas informações nas redes sociais!

Conheça 5 dicas para tornar sua clínica referência no mercado

O mercado de saúde está, a cada dia mais, tornando-se disputado e competitivo. Existem muitas clínicas de todas as especialidades, e o profissional de saúde precisa se destacar, se tornar referência no mercado para reter seus pacientes antigos e conquistar novos, mantendo seu consultório cheio.

Não basta apenas oferecer assistência de qualidade, é preciso investir em diferenciais para que a clínica possa se tornar referência no mercado. Os pacientes buscam profissionais competentes, dedicados e que prestem atendimento humanizado.

Para que você não fique para trás, trazemos, no texto de hoje, algumas dicas para tornar a sua clínica referência no mercado. Acompanhe!

Por que é importante se tornar referência no mercado de saúde?

Primeiramente, é essencial que você saiba a importância de tornar-se referência no mercado de saúde. Não existe uma fórmula pronta para alcançar esse resultado, pois isso depende de diversas variáveis, como o tipo de atendimento prestado, o público que será atendido e a concorrência regional.

A clínica deve buscar tornar-se referência regional, gerando autoridade para o estabelecimento de saúde. Os estabelecimentos referência são aqueles mais procurados pelos pacientes, além de serem indicados por familiares, amigos e outros profissionais de saúde.

Uma clínica que é referência preza pelo atendimento de melhor qualidade, com o uso de técnicas, procedimentos e materiais ideais para a assistência realizada. O preço passa a ter menos influência sobre a decisão do paciente de consultar-se na sua clínica, já que ela é vista como a melhor da região.

Por isso, vale a pena investir nessas dicas que trazemos a seguir.

Como tornar sua clínica referência?

1. Ofereça um serviço de qualidade

O primeiro passo para tornar-se referência é oferecer um atendimento de qualidade para todos os pacientes. Ao final da consulta, o paciente deve sentir-se confiante e seguro com a assistência recebida, de forma que terá mais chances de retornar à clínica e indicá-la para outras pessoas.

Um serviço de qualidade inclui todas as etapas do atendimento: acesso à clínica, recepção, consulta e ações pós-consulta. Por isso, depende de toda a equipe da clínica, e não somente do profissional de saúde.

Treine sua equipe para realizar um atendimento educado e humanizado e invista em cursos de aprimoramento e atualização para os profissionais de saúde.

2. Esteja atento às novidades do mercado

A área de saúde está em constante desenvolvimento, com o surgimento e a aplicação de novas tecnologias de cuidado, medicamentos e técnicas avançadas. Os profissionais da área devem estar atentos às novidades que surgem no mercado, buscando sempre oferecer uma assistência atualizada e moderna.

Imagine se a sua clínica ainda utiliza equipamentos antigos e ultrapassados, enquanto a concorrente já adquiriu novos aparelhos mais modernos, eficazes e de fácil utilização. O paciente percebe os estabelecimentos que investem em novidades e costuma preferi-los.

E as novidades tecnológicas não trazem apenas benefícios para os pacientes. Algumas tecnologias de gestão melhoram os processos da clínica, tornando-os mais eficientes e agilizados, como o uso de softwares de gestão médica e agendas online.

3. Ofereça serviços especializados

O atendimento em saúde está se tornando mais especializado a cada dia. Hoje em dia é possível achar um profissional especialista em qualquer área ou condição, mesmo que ela seja muito específica. E são esses os profissionais que se destacam no mercado de saúde.

Um grande diferencial para a clínica é o oferecimento de serviços especializados, que não sejam tão fáceis de serem encontrados. Por exemplo, é fácil achar um consultório dermatológico, mas é muito mais difícil encontrar um médico dermatologista que seja especializado em manchas de pele causadas pela exposição ao sol. Essa especificidade traz autoridade ao atendimento prestado.

Para isso, é preciso pensar nos cursos de especialização e afins como formas de investimento para a clínica.

4. Tenha boas instalações físicas

A qualidade da assistência direta e as relações interpessoais formadas durante o atendimento são de extrema importância para que a clínica se torne referência, mas é preciso também dar especial atenção às instalações físicas do estabelecimento de saúde.

E essa preocupação já começa na recepção da clínica, pois é o primeiro espaço com o qual o paciente tem contato e influencia toda a experiência vivenciada durante o atendimento. Ela deve ser um espaço organizado e aconchegante, que contenha:

  • móveis confortáveis e dispostos de forma a permitir a circulação;
  • cores suaves e decoração reconfortante;
  • itens de distração (televisão, música ambiente, livros e revistas);
  • água, cafés, chás e outros alimentos.

O consultório também precisa estar impecável para os atendimentos. Em primeiro lugar, deve-se primar pela limpeza do ambiente, que é essencial para a área de saúde. Mantenha a mesa e as prateleiras organizadas, sempre conferindo-as entre um atendimento e outro.

5. Crie facilidades de agendamento

Quanto mais simples for a forma de agendamento, melhor impressão terão os pacientes que se consultarem pela primeira vez na clínica. O agendamento feito unicamente por meio telefônico está se tornando obsoleto, e grande parte dos pacientes alega não ter tempo para ligar, principalmente se houver apenas uma recepcionista para responder o telefone da clínica.

Crie facilidades para o agendamento, de forma que o primeiro contato do paciente com a clínica seja prático, como:

  • agendamento por SMS ou WhatsApp;
  • agendamento online feito diretamente no site da clínica, com a escolha do dia e horário feita pelo próprio paciente;
  • lembretes de consulta enviados por mensagem no dia anterior;
  • possibilidade de desmarcação ou remarcação no site ou por mensagem.

Além de criar uma boa imagem para a clínica, essas estratégias ajudam a controlar os horários da clínica pela secretária, facilitam o fluxo de pacientes e diminuem as ocorrências de atrasos e faltas não avisadas.

Com essas dicas, você pode se tornar referência no mercado de saúde e sua clínica estará sempre cheia de pacientes satisfeitos e bem cuidados! Lembre-se de que as ações devem ser contínuas, pois os parâmetros de referência mudam de tempos em tempos, de acordo com as novidades em saúde.

E você, sabe de alguma outra dica para tornar a clínica referência? Então deixe um comentário no post e compartilhe com a gente e com os outros leitores a sua experiência na área!

7 dicas para uma carreira médica de sucesso

A carreira médica é uma trilha que deve ser traçada com responsabilidade, organização e conhecimento, para almejar destaque perante os demais concorrentes na mesma especialidade clínica.

Além dos saberes científicos e da busca por pesquisas fundamentadas e metodologicamente confiáveis, é fundamental investir nos campos emocional, físico e gerencial, com o objetivo de ser o melhor e de oferecer o melhor.

Sendo assim, é aconselhável que a carreira médica seja projetada para atender uma demanda crescente, ao mesmo tempo em que satisfaça interesses profissionais e financeiros próprios, além de manter a motivação para conseguir se aperfeiçoar cada dia mais.

Quer saber mais sobre como construir uma carreira médica de sucesso? Então, não perca as dicas que daremos no post de hoje!

Como ter sucesso na carreira médica

1. Invista em conhecimento clínico relevante

A informação científica e clínica chega aos olhos dos médicos em tempo real, principalmente com o acesso à internet. Uma conduta terapêutica que outrora fosse recomendada pode ser contraindicada veementemente conforme surgem novos estudos sobre o tema.

O volume de dados, obviamente, é superior à capacidade do profissional de assimilar novos conhecimentos. Por isso, é preciso escolher ferramentas úteis e efetivas para buscar as informações mais relevantes.

Selecione os sites científicos mais condizentes com seu perfil de atuação e procure estar atento a páginas já reconhecidas no ramo, inclusive aquelas mantidas por outros médicos. É importante compreender as principais bases de dados clínicos e analisar sucintamente as pesquisas conduzidas em relação ao nível de evidência, estando sempre atento a novas publicações que tenham grande repercussão.

2. Exerça uma boa comunicação com os pacientes

comunicação é uma estratégia que deve ser bem trabalhada para evitar interpretações erradas e má adesão ao tratamento. Para tanto, é fundamental que compreender o nível de letramento em saúde do paciente e estar sempre disposto a conversar com objetividade e clareza.

Esse nível de entendimento sobre o estado de saúde que o paciente apresenta não tem relação com o grau de escolaridade, embora pessoas menos escolarizadas precisem de maior atenção na hora de explicar tanto o diagnóstico quanto o tratamento. Dessa forma, o critério para exercer uma comunicação eficiente deve se basear no nível de compreensão da doença e do tratamento, com o máximo de abertura possível a dúvidas que possam surgir.

O médico deve adaptar sua linguagem de forma a sensibilizar o tipo de paciente em prol das mudanças de comportamento ou da adesão ao uso dos medicamentos prescritos. Em algumas situações, pode ser necessária a orientação clínica manuscrita além da prescrição medicamentosa.

3. Pratique a empatia com todos

A empatia é a capacidade de se colocar no lugar do outro e perceber os sentimentos do outro individuo. No campo da saúde, é preciso ir além desse quesito e exercitar a humanização, que ajudará, inclusive, a captar mais pacientes através da recomendação daqueles que já consultaram com você.

As técnicas de humanização devem ser trabalhadas conforme o tipo de paciente e as percepções que foram observadas ao longo da consulta devem ser observadas para entender os propósitos de quem procura a consulta. Isso porque, atualmente, médicos estão equipados com diversas tecnologias a favor do diagnóstico e da terapêutica e acabam por direcionar suas condutas apenas com base nessas ferramentas, promovendo uma interação literalmente técnica.

É preciso conciliar a tecnicidade com a avaliação subjetiva do paciente para o que o tratamento seja efetivo, seguro e, principalmente, conveniente para o indivíduo. Assim, é importante considerar quesitos como capacidade de adquirir os medicamentos, orientações quanto ao uso e outras observações pertinentes.

4. Cultive hábitos saudáveis

Um dos maiores erros que os profissionais cometem atualmente é a sobrecarga de trabalho. Encaixam consultas extras em consultório, realizam cirurgias, plantões noturnos, atendem aos finais de semana, dentre outras diversas atividades. O profissional estressado tende a cometer erros clínicos mais graves em virtude do cansaço, por falta de concentração, sonolência e pouca percepção do ambiente, além de se sujeitaram aos riscos que a vida sedentária traz consigo.

Por isso, é crucial manter uma alimentação equilibrada, investir no sono reparador para as atividades diárias e fazer exercícios físicos regularmente, para manter a disposição e evitar um colapso eminente. Tenha sempre horários separados para as refeições e atividades físicas.

5. Mantenha uma rotina organizada

O cotidiano de um profissional de saúde é intenso e complexo em suas atividades. Dessa forma, é preciso organizar horários de consulta e ainda determinar um tempo para tarefas pessoais, intervalos para exercícios físicos e aquisição de novos conhecimentos.

Além disso, em semanas atípicas, como naquelas em que há um congresso, o planejamento dos horários se torna mais crítico, pois demanda reorganização da agenda antes e depois do evento. Por isso, é fundamental manter todos os compromissos de forma organizada e objetiva, sempre com uma agenda, planner ou planilha de fácil acesso.

Nesse sentido, o uso da tecnologia é um grande aliado para facilitar a visualização das tarefas e verificar os horários ociosos. Para ajudar nessa organização há muitas ferramentas, que vão desde a agenda dos dispositivos móveis, passando por plataformas com múltiplas funções, como a xDoctor, até os softwares desenvolvidos especificamente para consultórios médicos.

6. Invista em marketing pessoal

Os profissionais clínicos que são referência em sua especialidade devem divulgar suas habilidades em diversos canais de comunicação, para atrair novos pacientes e aumentar a produtividade do consultório. O marketing pessoal é algo que deve ser praticado gradativamente, ressaltando principalmente as atividades clínicas diferenciadas, a formação universitária e a percepção dos pacientes em relação ao atendimento do profissional.

As estratégias de marketing pessoal podem ser feitas no site da clínica, com linkagem para o currículo lattes do profissional, pela divulgação de informes em saúde para atrair a curiosidade dos pacientes, dentre outras ações previamente planejadas. Investir em um blog e nas redes sociais podem ser ótimas formas de atrair novos pacientes e de fidelizar aqueles que já consultam com você.

7. Desenvolva o networking

Além do marketing pessoal, que sensibilizará principalmente os novos pacientes, os profissionais devem desenvolver o networking a fim de obter indicações por parte de outros profissionais clínicos.

A rede de contatos profissionais é uma forma de divulgar o trabalho clínico e científico, de conhecer novos profissionais e de formalizar parcerias frutíferas em longo prazo, além de ajudar a conhecer e avaliar novas condutas terapêuticas.

É aconselhável também que o médico participe ativamente de congressos de sua especialidade, publique artigos científicos em revistas de grande circulação entre os profissionais e se envolva em grupos nas redes sociais (LinkedIn, Facebook etc.) ou em aplicativos de mensagens instantâneas, sempre ponderando suas ações para não criar polêmicas.

A carreira médica de sucesso deve ser consolidada gradativamente e pode se beneficiar muito dos novos recursos disponíveis atualmente. É imprescindível que o médico busque aperfeiçoar seus conhecimentos científicos e sua forma de comunicação com o paciente.

Investir em novas estratégias com o uso de tecnologias para organização das rotinas, para o marketing pessoal e a ampliação da rede de contatos, com o intuito de divulgar sua imagem profissional, deve ser uma prática aliada à disciplina e, claro, à paciência.

E você, o que tem feito para melhorar sua carreira? Fique por dentro de novidades da área, seguindo nossa página no Facebook!

Marketing médico: você sabe até onde podemos ir?

Quem nunca ouviu dizer que “a propaganda é a alma do negócio”? Embora seja antiga, essa afirmação se enquadra perfeitamente no momento tecnológico em que vivemos hoje. Ainda mais com a chegada das mídias sociais, há quem diga que vale tudo pela divulgação. Mas será que isso se aplica no caso do marketing médico?

Na verdade, independentemente de qual seja o ramo de atividade, a divulgação exige alguns cuidados. Propagandas ofensivas, preconceituosas ou com uso indevido de imagens jamais devem ser usadas. E, quando falamos em medicina, essas restrições ainda vão além.

Aliás, a publicidade encontra certas dificuldades quando lida com esse setor, visto que existe um manual de ética e conduta médica que deve ser seguido. Ainda assim, não é por isso que você vai deixar de divulgar seu trabalho, certo?

O marketing médico é, sim, possível e eficaz — você só precisa ficar atento a algumas limitações. E foi pensando em te ajudar com isso que listamos aqui 7 das principais regras na hora da divulgação! Confira:

Não usar fotos de pacientes

Ainda que o paciente autorize, é proibido usar imagens de pessoas tratadas por você. Quando você faz uma postagem de “antes e depois”, por exemplo, entende-se que você está se valendo da imagem daquela pessoa para se promover.

Além disso, os organismos são diferentes uns dos outros, o que significa que nem todos os pacientes terão um resultado tão impressionante quanto o da postagem. Assim, mostrar isso é como prometer que o tratamento funcionará para todos da mesma forma — o que não é verdade.

Outra situação que deixa muitos médicos em dúvida diz respeito aos pacientes que pedem para tirar “selfies”. Estas podem ser postadas, desde que não contenham elementos que promovam a sua profissão. E também não podem estar acompanhadas de textos que elogiem demais o seu trabalho.

Separar o pessoal do profissional nas redes sociais

Divulgar as informações da clínica em seu perfil pessoal pode causar transtornos. Quer um exemplo? Vamos supor que você expresse livremente a sua opinião sobre política ou religião na rede. Isso pode causar um mal-estar com pacientes que pensam diferente de você.

Da mesma forma, se você posta fotos no bar com os amigos ou comemora a chegada do feriado, eles podem desacreditar do seu profissionalismo. Sendo assim, o ideal é que você tenha um perfil a parte para postagens profissionais.

Reserve essas postagens pessoais para os seus familiares e amigos, e mantenha um perfil específico para assuntos profissionais junto aos seus pacientes. E não deixe de checar e responder às interações, é claro. De nada adianta receber um comentário e não respondê-lo de forma direta e personalizada, certo?

Tomar cuidado com as especialidades

Fazer propaganda dos seus títulos e especialidades é permitido. Divulgar o seu CRM também, assim como citar todas as sociedades médicas das quais você faz parte. Por outro lado, existem algumas limitações quanto ao tema: o máximo de especialidades que podem ser divulgadas em um anúncio são duas. Mais que isso não é permitido.

Portanto, nada de incluir uma grande lista. Além disso, nunca — jamais, em hipótese alguma — divulgue especialidades que você não tem. Não se esqueça de que propaganda enganosa é crime, e está sujeita às punições da lei.

Preocupar-se com a linguagem

Sabe aquela história de querer mostrar o quanto você é melhor que os concorrentes? Pois bem, no marketing médico isso não funciona.

Alguns termos e expressões são vetados para o marketing médico. Dizer coisas com “o melhor”, “o mais eficiente”, “o único capacitado”, “resultado garantido”, e outras de sentido similar é proibido.

Outra prática que vai totalmente contra as normas da ética médica é oferecer algum tipo de garantia ao paciente ou aos familiares quanto ao resultado do tratamento proposto. E mais um ponto importante: a divulgação de técnicas exclusivas também é proibida.

Já imaginou como ficaria o mercado médico se cada um resolvesse tentar convencer o público de que somente ele é capaz de solucionar seus problemas? Tudo viraria uma verdadeira disputa de egos, e fugiria do objetivo principal, que é promover a saúde e o bem-estar das pessoas.

Ajustar o foco de entrevistas

Um médico pode conceder entrevistas a órgãos públicos ou privados, desde que o seu objetivo seja esclarecer a sociedade sobre doenças, riscos e tratamentos. A publicação deve vir acompanhada de nome completo e especialidade do profissional. Até aí, nada de errado.

O problema começa quando você usa essa postagem para se promover.

Compartilhar telefone e outros meios de contato, por exemplo, é terminantemente proibido para esse tipo de publicação. Além disso, fazer uma entrevista falando apenas do seu próprio trabalho, ou divulgar seu telefone ao final configura uma forma de comércio — algo também proibido para o ramo.

Outro ponto muito importante é ler a publicação e checar se as informações divulgadas estão corretas. Caso encontre alguma incorreção, o caso deve ser encaminhado como ofício retificador ao órgão de imprensa e ao CRM local.

Não divulgar os preços

Jamais caia na tentação de divulgar a sua tabela de preços de consultas e procedimentos. Tal prática não é permitida para estabelecimentos médicos, e essas informações devem ser passadas somente em caráter particular, para os interessados que entrarem em contato.

Já imaginou se a divulgação de valores vira “moda”? Consultas e tratamentos se transformariam em produtos para comercialização, e o mercado não passaria de um grande leilão. De novo, lembre-se: a saúde é um bem que não deve ser comercializado!

Não fazer anúncios em conjunto

Finalmente, você não pode divulgar o seu trabalho em um anúncio de terceiro. Não é permitido, por exemplo, incluir o seu nome ou contato no anúncio da loja de aparelhos cirúrgicos do seu amigo.

O Conselho Federal de Medicina proíbe terminantemente a inclusão de médicos em anúncios de outras marcas comerciais ou produtos, bem como a divulgação de técnicas e métodos ainda não aceitos pela comunidade científica.

Marketing médico

Enfim, entendeu por que o marketing médico é um pouco diferente do aplicado a outros profissionais? Agora, se você quer divulgar sua clínica sem ferir os princípios da ética médica ou constranger as pessoas, aproveite para assinar a nossa newsletter e receba mais conteúdos como este em primeira mão!

Quais as vantagens da publicidade para consultórios?

O boca a boca ainda é uma maneira eficiente de divulgar o seu consultório. Afinal, pacientes satisfeitos sempre recomendam e falam bem de você para outras pessoas. No entanto, isso não é suficiente para quem deseja ampliar e até manter sua base. Nessa hora é bom implantar uma estratégia de divulgação, com todas as vantagens da publicidade.

A seguir, daremos algumas dicas sobre por que (e como!) investir em marketing e publicidade, além de mencionar quais as melhores formas de divulgar o seu consultório. Lembrando que essas são apenas algumas diretrizes. Uma ótima opção para ter sucesso na área é contratar uma consultoria ou agência especializada, que já possui o know-how necessário para implantar uma boa estratégia.

Quer saber mais? Então continue a leitura e entenda!

Por que investir em marketing?

Antes de resolver adotar estratégias de marketing, é importante estudar bastante o seu negócio. É necessário saber todas as deficiências e, claro, os pontos fortes e diferenciais que podem atrair as pessoas. Ao se conhecer todos os potenciais do seu consultório, fica fácil entender por que divulgá-los.

Pense, por exemplo, se seu consultório é bem localizado, com rampas de acesso e com uma estrutura completa. Você também pode ter investido muito no treinamento dos funcionários, que realizam um atendimento especializado e de qualidade. Além disso, os exames mais simples podem ser realizados no seu consultório mesmo, o que facilita a rotina do paciente.

Certamente, o seu negócio possui atributos que podem ser atrativos para as pessoas, mas elas só ficarão sabendo se eles forem divulgados. Muitas vezes, as pessoas nem se preocupam com esses detalhes até tomarem conhecimento sobre eles.

Ou seja, antes de tudo, não só é importante conhecer os seus diferenciais como também é essencial garantir que o seu negócio tenha algum atrativo. É provável que, antes mesmo de investir em publicidade, seja necessário fazer melhorias nas próprias instalações e no funcionamento do consultório.

O marketing cria valor e o transmite para as pessoas. Ele melhora a percepção que elas têm sobre o negócio e potencializa a experiência positiva, antes e depois do atendimento. Dessa forma, serve não só para atrair novos pacientes, como manter os atuais, com uma imagem de referência e confiança no lugar e nos profissionais.

Quais os desafios da publicidade médica?

Apesar de todas as vantagens da publicidade aplicada à área médica, ela não é tão simples. Isso porque existe uma série de leis e regras específicas que regem esse mercado. Um exemplo é a RDC 36, que trata da segurança do paciente. Para saber melhor sobre todas as normas, o Conselho Federal de Medicina disponibiliza um Manual de Publicidade Médica. Vale a pena consultar antes de começar a planejar qualquer ação.

Além disso, encontrar os diferenciais e a linguagem adequada pode não ser uma tarefa fácil. Basta imaginar que, se você está criando estratégias, o seu concorrente pode estar fazendo o mesmo! Estude bem o seu mercado e a concorrência, sobretudo aqueles que estão próximos e são da mesma especialidade médica. Nessa hora, vale tentar criar diferenciais antes mesmo de começar a divulgá-los.

Como divulgar o seu negócio?

Agora que já deve ter entendido as vantagens da publicidade, pode estar se perguntando sobre o que fazer. Atualmente, existem dois tipos básicos de publicidade: offline e online. O primeiro envolve a chamada mídia tradicional, com jornais e revistas impressas, rádio, TV e outros materiais físicos.

A publicidade online é composta por todas as ações em mídias digitais, como redes sociais, anúncios de display e links patrocinados e de marketing de conteúdo. Em alguns casos, nem são percebidos como publicidade, ainda que sejam ações para promover uma marca. Ambas são eficientes, mas possuem custos e abrangências muito diferentes.

Nos meios impressos e eletrônicos o alcance é muito maior, a publicidade é mais difusa. Assim, é ótima para quem deseja atingir mais pessoas, tendo um público amplo. Já no digital, dá para alcançar públicos segmentados e muito específicos, o que é ótimo para algumas especialidades e para um negócio mais localizado.

A escolha para cada meio dependerá não só das características do seu negócio, como também do valor que possui para investimento. É bom destacar que gastar mais não significa ser mais assertivo.

Publicidade offline

Jornais e revistas

A escolha dependerá da sua capacidade de atendimento e do alcance do seu consultório. Pode ser que um jornal ou revista de bairro seja bem mais pertinente, ao atingir apenas o seu público de interesse.

Folhetos

Podem ser distribuídos na rua, em eventos ou deixados em locais estratégicos. Só é preciso ter cuidado para não sujar locais públicos ou incomodar as pessoas com algo que elas não queiram receber.

Banners e painéis

Alguns locais e eventos podem ser bem úteis, de acordo com a ligação entre o assunto e as pessoas que frequentam o local de exposição. Por exemplo, uma feira de óculos para o público consumidor é um excelente ponto de divulgação de um consultório ou clínica de oftalmologia. Folhetos e outros materiais impressos também podem ser distribuídos.

Brindes

Aqui a vantagem é sua empresa ser vista sempre que a pessoa usar o objeto. Não dá para entrar em detalhes sobre o serviço, mas funciona como lembrança de marca. Boas opções são canetas, mouse pads, pen drives e réguas, que são baratos e podem ter formatos personalizados, de acordo com a comunicação do seu consultório.

TV e rádio

Assim como nos impressos, as versões locais são mais em conta e atingem um público qualificado. Apenas tenha o cuidado de fazer spots de bom gosto e que sejam interessantes.

Publicidade online

Redes Sociais

Ter uma página no Facebook, Twitter, Instagram ou outra rede social não é uma questão de seguir uma moda, mas, sim, de estar onde seu público está. Nesse caso, é importante saber que essas não são apenas ferramentas de divulgação. As pessoas querem receber conteúdo de qualidade e posts que sejam pertinentes para o dia a dia.

Blogs

Muitas vezes, uma pessoa busca pelo seu assunto, não seu tipo de negócio. Isso não significa que ela não possa ser um cliente um dia. Essa é a premissa de se ter um blog e adotar todas as estratégias de marketing de conteúdo.

Facebook Ads

Além de oferecer conteúdo, dá para promover o seu negócio na rede social. Os anúncios são baratos e totalmente direcionados de acordo com quem se deseja atingir.

Google Adwords

Os anúncios são direcionados de acordo com as buscas das pessoas. Ou seja, é bem mais fácil e barato fazer publicidade apenas para quem realmente tenha interesse no que se anuncia.

Ações diferenciadas

Além de todas as formas mencionadas acima, é possível participar de eventos, patrociná-los, realizar ações de ativação e campanhas sociais. Mesmo aquilo que não representa uma forma de publicidade pode ajudar a alavancar o seu nome e a marca da sua empresa.

Vantagens da publicidade

Cada negócio possui características que ajudam a definir uma estratégia mais pertinente. As vantagens da publicidade não envolvem apenas a divulgação dos seus serviços. Essas ações representam a construção de uma marca forte, confiável, com um público fiel.

Gostou do post sobre as vantagens da publicidade? Temos muito mais dicas de como fazer a gestão e otimizar a rotina da sua clínica ou consultório. Para ver mais conteúdos como esse, curta nossa página no Facebook.

xdoctor

Assine nossa Newsletter

Receba conteúdo em primeira mão para melhorar a gestão e os resultados da sua clínica ou consultório!

Parabéns! Verifique seu e-mail para confirmar a sua assinatura. Caso não receba o e-mail verifique sua caixa de SPAM.