Category

Gestão de clínicas e consultórios

Category

Conheça os direitos do paciente para evitar processos judiciais

Conhecer os direitos do paciente é o primeiro passo para evitar processos judicias, que vem se tornando cada vez mais frequentes na área médica.

Lidar com direitos fundamentais, como integridade física e mental, dignidade, saúde e a própria vida, é inerente ao exercício da medicina. Isso aumenta a responsabilidade civil do profissional, bem como os riscos a que ele se expõe.

Por isso, neste texto vamos explicar os principais direitos e como você pode usá-los a seu favor, estabelecendo uma conduta médica defensiva. Não no sentido de blindar o médico, mas sim de aumentar o cuidado com o paciente. Confira nossas dicas!

Quais são os direitos do paciente?

A internet vem possibilitando não só o acesso à informação, como a ampla divulgação e discussão nas redes sociais, levando cada vez mais pessoas a buscarem a culpabilização dos responsáveis pelos supostos danos que sofrem.

Com a medicina não é diferente, mas afinal, quais são os direitos do paciente? Listamos aqui, alguns dos principais:

Prontuário

O paciente pode solicitar, a qualquer momento, ver o seu prontuário médico. No qual deve constar por escrito o diagnóstico e tratamento sugerido, além da identificação do médico e número de registro no Conselho Regional de Medicina.

Receituário

Devem constar das receitas, escritas em letra legível ou datilografadas, o nome genérico dos medicamentos, sem códigos ou abreviações, além de nome e assinatura do profissional e número no CRM.

Medicação

Todas as medicações, e respectivas dosagens, devem ser anotadas no prontuário, bem como registrados os dados de identificação do paciente, ou da sua origem, caso esteja inconsciente no momento do atendimento. Também é preciso registrar, se for o caso, a quantidade de sangue recebida, as sorologias efetuadas e prazo de validade.

Abandono

O médico não poderá abandonar o caso após iniciado o tratamento. Apenas quando houver comprometimento da relação médico-paciente ou do desempenho profissional, devendo ser assegurada a continuidade na assistência.

Informação

O paciente tem o direito de receber informações claras e compreensíveis sobre sua saúde: diagnósticos; exames; ações terapêuticas, riscos, benefícios e inconvenientes do tratamento, assim como sua duração prevista.

Recusa

O paciente pode ainda, escolher não ser informado do seu estado de saúde, indicando alguém para receber a informação no seu lugar.

Autonomia

Cabe ao paciente consentir ou não, livre e voluntariamente, com adequada informação, procedimentos diagnósticos ou terapêuticos.

Atendimento digno e respeito

O atendimento deve ser atencioso e respeitoso, devendo o paciente ser tratado pelo nome, nunca por números e códigos e nem de maneira preconceituosa. São asseguradas a satisfação das necessidades, a integridade física, a privacidade, a individualidade, a segurança do procedimento e a assistência moral, psicológica, social e religiosa. Além do respeito aos valores éticos e culturais e um local adequado ao atendimento.

Sigilo

O sigilo profissional deve resguardar as informações clínicas e pessoais do paciente, a menos que haja risco a terceiros ou à saúde pública.

Qual a importância de conhecê-los?

Com o crescente número de processos contra médicos, torna-se fundamental que o profissional se informe para se proteger de possíveis ações.

Trata-se de um contexto em que erro médico e frustração por maus resultados se confundem, ou ainda, levam ao oportunismo de alguns. Embora, muitas vezes as pessoas tenham uma percepção errada do serviço prestado pelos médicos, acreditando que há um compromisso com a cura, quando na verdade, o médico se compromete com o tratamento.

Dessa maneira, é importante conhecer os direitos do paciente, aqueles que podem gerar processos, e a partir deles adotar uma conduta preventiva.

Como evitar processos de pacientes?

A máxima “é melhor prevenir do que remediar” é válida não só para a saúde dos pacientes, mas também para a reputação dos médicos. Do ponto de vista financeiro, também é melhor evitar os processos judiciais, sendo assim, listamos aqui algumas dicas para você evitar pacientes insatisfeitos:

Atenda de forma humanizada

Devido ao modelo imposto pelos planos, à correria do dia a dia e ao endurecimento provocado pela natureza da profissão, a, até mesmo, a revolução tecnológica, a medicina vem sofrendo uma despersonalização.

No entanto, estabelecer um vínculo com o paciente e importante para a relação de confiança, o que reduz e muito as chances de processos futuros. O atendimento humanizado preconiza uma relação médico paciente horizontal, próxima e interpessoal, além do carinho, respeito e empatia.

Além disso, a comunicação médico paciente é essencial. Saber ouvir e responder com uma linguagem clara e acessível, é fundamental.

Preencha o prontuário adequadamente

Trata-se de um documento oficial e, portanto, o maior escudo do médico contra processos, podendo ser inclusive uma prova de defesa. Por isso, é essencial preenchê-lo corretamente.

Atualmente, é possível reduzir a burocracia adotando o prontuário eletrônico. Ele é a garantia de que o melhor tratamento foi oferecido, e pode livrar o médico de problemas judiciais.

Solicite acompanhantes ao realizar exames

Sempre que houver necessidade de um exame com contato mais íntimo, toque ou mesmo visual, é recomendado solicitar um acompanhante ou designar alguém da própria equipe para acompanhar o procedimento. Além de oferecer uma sensação de segurança ao paciente, prevenindo acusações de assédio ou de negligência.

Realize uma boa anamnese

Uma anamnese bem-feita e completa é crucial para diminuir os riscos de um erro médico. Esse é o momento para documentar todo o histórico do paciente, clínico e familiar, mapeando possíveis reações alérgicas e efeitos colaterais, por exemplo.

Além disso, é a oportunidade de olhar o paciente de forma global, com atenção à sua saúde física e emocional, o que pode ajudar a prevenir negligências.

Faça registros fotográficos

Dependendo da natureza do tratamento, é interessante registrar por fotos o antes, durante e depois, comprovando sua eficácia e benefícios. Especialmente em se tratando de cirurgias corretivas e procedimentos estéticos, validando a conduta médica.

Ofereça uma boa experiência

A impressão que um paciente leva de um consultório vai muito além do atendimento realizado pelo médico durante a consulta. Envolve a experiência completa, desde a marcação, tempo de espera, conforto do ambiente ao acompanhamento pós atendimento.

Dessa maneira, atender bem e oferecer uma boa experiência aos pacientes é o primeiro passo para iniciar uma relação positiva com eles, e evitar conflitos. Nesse sentido, adotar um sistema de gestão em seu consultório pode facilitar a rotina e a operação, melhorando a qualidade do serviço prestado ao paciente.

Direitos do paciente

A melhor forma de se prevenir, evitando processos, é conhecer e garantir os direitos do paciente. Além de não deixar brechas para erros e mal entendidos, o atendimento ganha qualidade e os resultados tendem a ser melhores.

Gostou das nossas dicas? Para ter acesso a mais textos como este, siga nossa página do Facebook.

Modelo SaaS para clínicas: conheça os benefícios de investir em um

Não é nenhuma novidade que médicos e outros profissionais da área da saúde que desejam se destacar na comunidade em que atuam precisam ter um consultório muito bem organizado, não é verdade? Para isso, ter um software de gestão é fundamental, e o modelo SaaS para clínicas pode ser o que melhor atende a essa demanda. Isso mesmo, a gestão em nuvem pode ser a solução que você tanto procura!

Em termos gerais, trata-se de um modelo que vem transformando a forma de gerir empresas e projetos, sendo também muito bem aplicado a clínicas médicas. Por isso, desenvolvemos este post para que você possa entender mais sobre o assunto.

Para tanto, explicaremos o que é o modelo SaaS para clínicas e quais são as vantagens que ele pode proporcionar para você. Então, acompanhe a leitura até o fim e saiba mais!

O que é o modelo SaaS para clínicas?

SaaS é uma sigla em inglês que significa “Software as a Service”, ou seja, software como um serviço. Trata-se, portanto, de um modelo de informática em que os softwares de uma empresa são hospedados em nuvem e não em computadores da organização.

A ideia é que o modelo SaaS seja implantado para facilitar o acesso remoto às informações. Sendo assim, os médicos gestores de uma clínica, por exemplo, poderão acessar referências sobre o seu paciente em sua casa, no trânsito ou em qualquer outro local no qual possam ter acesso à internet, utilizando dispositivos móveis como smartphones ou tablets.

Além disso, usando um software SaaS, todos os dados da clínica serão armazenados em nuvem, ou seja, em algum lugar no ciberespaço. Isso quer dizer que as informações não ficarão armazenadas nos discos rígidos dos computadores do local, contribuindo diretamente para evitar perdas ou vazamentos de informações se os computadores estragarem ou forem invadidos por vírus, por exemplo.

Quais são os principais benefícios do modelo SaaS para clínicas?

Gestão financeira

Na clínica, ter uma gestão financeira organizada é essencial para que a lucratividade possa ser mensurada e para que possíveis gargalos no fluxo de caixa possam ser investigados. Ao utilizar um sistema no modelo SaaS, você poderá fazer uma gestão financeira completa na sua clínica, registrando todos os movimentos do caixa do estabelecimento.

Assim, é possível controlar todas as receitas e despesas do consultório, bem como categorizá-las para fazer uma gestão mais eficiente. Nesse sentido, as receitas podem ser divididas entre os pacientes que fazem consultas particular e os valores pagos por planos de saúde.

Já as despesas podem ser classificadas em fixas, como o pagamento dos funcionários e as contas de energia elétrica, telefone e internet, e variáveis, como o eventual conserto de algum equipamento.

Gestão de pacientes

O software de gestão em nuvem também possibilita que você tenha um cadastro completo de todos os seus pacientes, contendo dados como endereço residencial, local de trabalho, números de telefone, contato em aplicativos de mensagem eletrônica, e-mail, entre outros.

Isso tudo é bastante relevante, na medida em que, assim, a clínica pode traçar estratégias de marketing para fidelizar pacientes, afirmando a sua imagem perante as pessoas que utilizam seus serviços. A ideia é que você possa confirmar consultas que são marcadas com antecedência e enviar mensagens em datas significativas, como o aniversário dos pacientes e comemorações como Dia das Mães, Natal, Páscoa, entre outras.

Além disso, ter um cadastro completo também pode ser útil para fazer cobranças de forma rápida e prática, evitando, dessa maneira, a inadimplência na clínica.

Prontuário eletrônico

A sua clínica ainda tem aqueles fichários enormes com uma pasta para o prontuário de cada paciente? Então, você precisa adotar o uso do prontuário eletrônico o mais rápido possível. Afinal, com esses métodos mais antigos, muitas vezes, você está desperdiçando tempo para localizar arquivos e também correndo o risco de perdê-los com mais facilidade.

Com um prontuário eletrônico, todos os procedimentos realizados pelos pacientes na clínica são armazenados na nuvem, de modo que, quando eles voltarem para a próxima consulta, basta fazer uma busca pelo nome e todos os dados serão encontrados facilmente.

Além disso, o prontuário eletrônico também otimiza as consultas médicas, uma vez que, por meio dele, é possível acessar as informações do paciente antes de atendê-lo, já antecipando, assim, o conhecimento de possíveis alergias ou restrições que cada um pode ter a algum tipo de medicamento, por exemplo.

Gestão de medicamentos

Também é muito importante que as clínicas façam um controle de estoque de todos os itens que utilizam nas operações do dia a dia, sobretudo no que se refere a medicamentos.

Isso se justifica pelo fato de os remédios demandarem um gasto e, no caso de terem a data de validade expirada, necessitarem ser descartados, o que pode gerar bastante prejuízo para a clínica.

Com um software de gestão, você conseguirá ter o total controle de tudo o que estiver no estoque, evitando, com isso, o desperdício de medicamentos e, ainda, as compras desnecessárias.

Fluxo de trabalho

Com um sistema no modelo SaaS para clínicas, você poderá criar uma espécie de checklist organizado com todo o fluxo de trabalho. Nesse sentido, as funções de cada colaborador podem ser listadas e acompanhadas por eles mesmos e seus supervisores.

Um técnico de enfermagem que precisa administrar medicamentos em pacientes, por exemplo, pode ter listadas todas as atividades que precisa fazer no decorrer do dia, marcando como cumpridas as tarefas já realizadas.

Isso tudo é muito relevante para evitar que erros sejam cometidos por conta do esquecimento. Além disso, também fica mais fácil monitorar os colaboradores e entender a necessidade de aumentar o pessoal, caso a clínica tenha crescimento de demanda.

Modelo SAAS para clínicas

Então, deu para entender mais sobre o modelo SaaS para clínicas e suas vantagens? Esperamos que tenhamos conseguido sanar todas as suas dúvidas acerca do assunto.

Caso você tenha mais questionamentos ou queira implantar o modelo SaaS agora mesmo na sua clínica, não deixe de entrar em contato conosco! Será uma satisfação contribuir para que o seu consultório se destaque e você seja um médico ainda mais reconhecido na sua região!

Afinal, é melhor abrir um consultório próprio ou trabalhar em uma clínica?

Muitos médicos, principalmente em início de carreira, ficam em dúvida entre abrir um consultório próprio ou procurar trabalho em clínicas. Um estabelecimento próprio seria sinônimo de independência financeira, mas ao mesmo tempo demandaria certo trabalho para construir uma agenda de pacientes e altos custos.

Trabalhar em uma clínica pode significar “ganhar menos por consulta”, no entanto, possui a vantagem de já encontrar um nome estabelecido no mercado. Pensando por esse lado, a balança parece não se mover e o profissional continua em dúvida.

Para ajudá-lo a fazer essa análise, listamos abaixo as principais vantagens e desvantagens de abrir um consultório próprio ou trabalhar em uma clínica. Confira!

Abrir um consultório próprio

Vantagens

Independência

Talvez esse seja o maior desejo de muitos profissionais (não só os da área da saúde). Independência significa ter controle sobre os próprios horários. Você não “bate cartão” e, portanto, caso haja uma janela entre um paciente e outro, pode usar o tempo livre para adiantar alguma atividade pessoal.

Faturamento

Se um negócio próprio é sinônimo de independência em termos de tempo, com as finanças funciona da mesma forma. Afinal, o proprietário decide como as finanças serão usadas, além de obter grande parte do lucro somente para ele.

Estratégia própria

O dono (ou os donos) do consultório são os responsáveis por definir a estratégia usada. Assim, é possível direcionar o trabalho para o seu público-alvo, aquele que é sua preferência. Além disso, a decoração, as ações de marketing e o sistema de funcionamento, por exemplo, também são definidos pelo proprietário.

Desvantagens

Gestão

Normalmente, o trabalho como médico já compromete grande parte do tempo. No entanto, você precisará conciliar essa função com a de gestor, afinal, uma clínica própria demanda cuidados administrativos. Desse modo, o dono vai precisar gastar seu tempo e energia para manter as contas em dia e ainda garantir o lucro.

Conseguir pacientes

Um médico recém formado ainda não possui uma agenda repleta de pacientes. Dessa forma, será necessário investir no marketing para atrair novos até a sua cliente. Além disso, é preciso atendê-los bem para que voltem e ainda indiquem a sua clínica para parentes e amigos.

Custos

O dinheiro que entra é de responsabilidade e ganho do proprietário. Porém, há custos com impostos para manter um estabelecimento legalizado. Ademais, você vai precisar fazer um alto investimento em uma sede (própria ou alugada), equipamentos e materiais, além da manutenção da clínica, como gastos com limpeza e recepcionista. Ou seja, é preciso ter um capital inicial para investir e administrar o dinheiro para arcar com os gastos mensais.

Trabalhar em uma clínica

Vantagens

Segurança financeira

Não estamos falando em independência, mas sim, em segurança. Um consultório próprio depende de conseguir pacientes para gerar receita. Uma clínica pode oferecer um salário e a garantia de uma quantidade média de pacientes para atender. Você fica sujeito a cumprir normas, mas não precisa se preocupar com o dinheiro para pagar as contas do mês.

Experiência

Uma clínica já conta com uma carteira de pacientes e, especialmente se você estiver em início de carreira, será muito importante para o seu crescimento profissional. Você terá a oportunidade de entrar em contato com casos reais e já terá a quem atender logo de início. Isso é muito útil para conhecer (e fazer-se conhecido) nesse mercado.

Infraestrutura

Uma clínica já existente conta com toda a infraestrutura e equipamentos necessários para atender bem aos pacientes. Você conta com um suporte muito maior do que se estivesse em seu próprio consultório.

Para quem ainda não consegue investir em toda a estrutura necessária para um negócio próprio, trabalhar em clínica é o ideal, uma vez que o local de trabalho já está pronto para uso.

Desvantagens

Subordinação

Se você trabalha em uma clínica, a política de atendimento e o espaço funcionarão de acordo com o que os administradores do local definirem. Você também não pode escolher o seu público-alvo, deverá atender de acordo com o perfil da clínica.

Em algumas clínicas, o médico subordinado é contratado para atender aos pacientes seguindo as políticas locais, sem possibilidade de participar de decisões e convenções.

Lucros menores

Ter um valor garantido mensalmente não significa que você terá possibilidades de crescimento em termos financeiros. Trabalhar em uma clínica faz de você um assalariado: você receberá uma porcentagem sobre as consultas (ou um fixo mensal), dependendo do que foi combinado na contratação.

Quando o consultório é seu, você conta com uma motivação para buscar mais pacientes: quanto mais atender, maiores serão os lucros.

Controle do tempo

Trabalhar em uma clínica normalmente exige que você fique disponível durante todo o horário estabelecido. Sendo assim, se você tiver um horário livre ou algum paciente faltar, deverá ficar a disposição do local para outros serviços.

Não é possível aproveitar essas “janelas” para descansar, resolver assuntos pessoais ou até mesmo tentar encaixar determinado paciente, visto que essa decisão também fica sujeita à administração. Sendo assim, você terá a impressão de que não tem tempo para nada, mas a verdade é que, nesse modelo de trabalho, você não pode administrar seu próprio tempo.

A escolha

Como pode-se ver, ambos os modelos de trabalho contam com pontos positivos e negativos. Decidir qual deles é o melhor para a sua carreira depende de como você gostaria que fosse a sua vida profissional e a integração dela com o âmbito pessoal.

Pessoas que prezam a segurança financeira acima de tudo, certamente optarão por trabalhar em uma clínica, já aquelas que desejam gerir melhor o seu tempo para dedicar-se à família e à si mesmas, tendem a preferir trabalhar em um negócio próprio. Cabe a você analisar o que acha melhor e mergulhar de cabeça no mercado profissional.

Viu só como a dúvida entre abrir um consultório próprio e trabalhar em uma clínica é comum a muitos profissionais? Desse modo, percebemos que não existe resposta certa ou errada, pois trata-se de algo subjetivo e que vai de encontro aos valores e visões de cada pessoa. Assim, deve-se estar disposto a fazer uma reflexão profunda para descobrir o que realmente deseja da sua carreira como médico.

Deixe seu comentário abaixo e conte para nós o que achou das nossas dicas!

Afinal, por que investir em melhorias no atendimento para saúde?

Investir em melhorias no atendimento clínico é tão fundamental quanto fazer o diagnóstico correto e propor intervenções terapêuticas efetivas. Isso porque esse quesito é parte importante da satisfação do paciente.

Além disso, as iniciativas adotadas para compreender as perspectivas dos pacientes sobre a rotina das instituições de saúde conquistam a fidelização, produtividade nas atividades e satisfação dos indivíduos atendidos.

Sendo assim, é crucial desenvolver e manter uma metodologia para observar as tendências em atendimento e propor ações diferenciadas para se destacar no concorrido mercado assistencial em saúde.

Quer saber mais sobre como implantar essas melhorias no atendimento ao paciente? Então, continue a leitura deste artigo!

Motivos para se investir em melhorias no atendimento

Humanize o atendimento

O advento dos recursos tecnológicos propiciou mudanças significativas na medicina terapêutica e diagnóstica, porém tem afastado os profissionais clínicos da centralidade da assistência clínica. Nesse sentido, a humanização veio como propósito de redirecionar o foco das intervenções para o paciente e menos para a enfermidade em si, considerando aqui os aspectos subjetivos dele e seus sentimentos em relação ao problema.

Por isso, a proposta de humanizar o atendimento tem sido vista com um diferencial no acolhimento,  na comunicação com o paciente e na melhor perspectiva do indivíduo em uma relação terapêutica mais consolidada. Nesse contexto, cabe avaliar também aspectos poucos considerados em uma consulta clínica, tais como a religião do indivíduo, as condições sociais e familiares e o nível de letramento em saúde.

Ofereça conforto no ambiente

Atualmente, a imagem de uma clínica médica deixou de ser aquela de paredes brancas, cadeiras desconfortáveis e muitas barreiras físicas entre o paciente e a equipe administrativa e clínica. Sendo assim, um dos investimentos de grande valia se refere aos móveis e objetos tanto na recepção quanto nas salas de atendimento médico. Nesse sentido, é preciso garantir conforto durante a permanência da pessoa  no local.

A aquisição de poltronas mais confortáveis, a decoração mais condizente com o ambiente clínico associadas a ideias inovadoras, oferta de café, biscoitos e água para os pacientes são condições essenciais. Para inovar ainda mais, alguns consultórios estão se equipando com máquinas de café expresso e cápsulas para degustação da bebida.

Invista em recursos tecnológicos

A tecnologia deve ser vista como uma aliada para melhoria no atendimento em todas as vertentes e ferramentas como agendamento online, prontuário eletrônicosoftware para clínicas são sempre bem-vindas.  Por um lado, esse recurso garante organização dos dados clínicos dos pacientes, faturamento das contas hospitalares e levantamento dos indicadores. Por outro, percebe-se mais agilidade no atendimento com base na evolução médica e de outros profissionais de forma objetiva e disponível nas principais plataformas utilizadas.

Além disso, as ferramentas disponibilizadas podem aprimorar o encaminhamento para outros especialistas clínicos ampliando a discussão da situação do paciente e garantindo assertividade no diagnóstico.

Proporcione serviços diferenciados

Devido a grande concorrência no mercado em saúde é possível investir em melhorias no atendimento por meio da oferta de serviços diferenciados. Assim, uma avaliação criteriosa é necessária para verificar as atividades mais demandadas pelos enfermos. Uma das formas de avaliar essa necessidade é por meio do levantamento dos encaminhamentos dos pacientes para outros profissionais que não fazem parte da equipe multidisciplinar da organização e viabilizar a contratação.

Outra possibilidade  é a formar parcerias para facilitar a indicação de outros profissionais clínicos a fim de oferecer um atendimento integral e contribuir para a adesão às terapias instituídas por ambos.

Faça pesquisa de satisfação

Para garantir melhorias no atendimento em saúde é fundamental conhecer o público-alvo da empresa. Além das características sociodemográficas e do perfil econômico obtido pelo cadastro no software de atendimento, é interessante buscar outros fatores. Uma das formas de conseguir esse resultado é fazer a pesquisa de satisfação com os serviços prestados, mediante o preenchimento nas plataformas gratuitas já padronizadas ou formulários financiados de acompanhamento do paciente.

Assim, o médico gestor poderá identificar os pontos de satisfação, bem como os erros ou situações que requerem mudanças levantadas pelos questionamentos provenientes dos pesquisados. A partir dessa análise, as alterações serão planejadas para atender aquelas que necessitam de poucos recursos financeiros ou correções simples da rotina, e posteriormente as atividades que demandam modificações na estrutura física ou investimentos mais elevados.

Atualize os conhecimentos clínicos

A velocidade das informações científicas e as mudanças nas intervenções terapêuticas atingiram patamares impressionantes. Enquanto algumas medidas são adotadas como referência ao tratamento, outras são refutadas ou necessitam de mais estudos.

Dessa forma, os médicos devem investir e aprimorar os estudos. Assim, acompanham as inovações e pesquisas de suas áreas e atuação; e podem aplicá-las em conformidade com a ficha e o perfil clínico dos seus clientes e de acordo com condições autorizadas pelas operadoras de planos de saúde.

Por isso, é fundamental que os profissionais clínicos estejam atentos às novas pesquisas e as notícias falsas disseminadas entre o público leigo. Nesse sentido, cabe ao médico a orientação sobre a veracidade ou não dessas informações obtidas por meio do acesso ao mundo virtual.

Também é preciso paciência para atender os pacientes que já chegam com pré diagnósticos obtidos pela internet ou insistem em discutir ou sugerir estratégias terapêuticas sem comprovação científica.

Treine a equipe administrativa

O primeiro contato do cidadão ao chegar à clínica médica é com a equipe administrativa, que deve estar preparada para atender os tipos de pacientes e orientá-los sobre as questões burocráticas envolvendo convênios, consultas particulares etc. Dessa forma, a equipe deve estar preparada para resolver as principais pendências, ser proativa em suas atitudes e encaminhar corretamente o demandante, após a conferência completa da documentação.

Além disso, questões específicas relacionadas a formulários diferenciados, atendimentos personalizados, encaixe de consulta, destreza ao manusear o sistema informatizado, entre outras práticas devem ser constantemente avaliados pela gerência. Sendo assim, os treinamentos da equipe administrativa devem envolver acolhimento efetivo do paciente, esclarecimento de dúvidas, conferência de documentos e outras rotinas que forem da alçada desse núcleo.

As melhorias no atendimento clínico deve ser uma tarefa constante dos médicos gestores em colaboração com a equipe administrativa. Para tanto é importante levantar os indicadores de satisfação do paciente, investir em treinamento dos colaboradores, dentre outras ações efetivas e relevantes.

E você, já implantou melhorias em seu consultório? Quer se aperfeiçoar ainda mais? Então, não deixe de ler o post sobre como ser organizado!

Capacitação dos funcionários: como treinar a recepção da clínica?

Na hora de montar uma clínica ou um consultório, alguns fatores são indispensáveis: espaço físico adequado e confortável, profissionais de saúde competentes, estratégias de captação de pacientes e recepcionista impecável. Esse seria o ideal, certo? Mas, como fica a capacitação dos funcionários? Já pensou nisso ao abrir a clínica dos seus sonhos?

Saiba que um dos passos mais importantes nesse processo é treinar e capacitar os empregados, especialmente o pessoal da recepção, que são as primeiras pessoas que entram em contato com o paciente dentro da clínica.

No texto de hoje, descubra 6 dicas de como treinar a recepção da clínica. Acompanhe!

Qual a importância do treinamento e capacitação?

A capacitação diz respeito ao preparo de uma pessoa para que ela desenvolva uma atividade com autonomia, criando uma competência que será útil para a realização de suas atividades no dia a dia. Já no treinamento, são realizadas atividades para que o funcionário melhore naquilo que já sabe fazer.

Tanta a capacitação como o treinamento são processos essenciais dentro de qualquer empresa, o que não é diferente na área de saúde. Por menor que seja a equipe da clínica, é preciso investir em formas de ajudar os empregados a crescer e se desenvolver.

Os funcionários são componentes de grande importância na clínica. Por isso, vale a pena investir neles. Especificamente em relação à recepção, treinar e capacitar traz vantagens como:

  • recepcionistas capacitadas para responder às dúvidas dos pacientes e que ajudam a construir uma boa primeira impressão;
  • vantagem competitiva em relação a outras clínicas que não possuem funcionários capacitados;
  • aumento da produtividade da equipe.

Lembre-se que os recepcionistas são as primeiras pessoas que entram em contato com os pacientes e representam uma parte muito importante do atendimento. Por isso, precisam estar alinhados com a visão da clínica e saber executar bem suas funções.

Como treinar a recepção da clínica?

A seguir, desvende 6 dicas práticas de como treinar adequadamente seus funcionários da recepção.

1. Apresente a clínica à recepcionista

Primeiramente, você precisa fazer uma apresentação detalhada da clínica para a nova recepcionista. É preciso mostrar todo o espaço físico, os locais de guarda de documentos, o tipo de software utilizado para gestão da clínica e onde os materiais são armazenados.

Outras informações muito importantes a serem passadas são:

  • tipos de atendimentos e procedimentos realizados na clínica;
  • lista dos convênios aceitos;
  • formas de pagamento aceitas;
  • horário de atendimento.

Quanto mais informação o funcionário tiver, mais fácil será para ele executar as suas atribuições no dia a dia de trabalho. Além disso, isso evita que, posteriormente, ele tenha que pedir ajuda com frequência.

2. Organize as tarefas

A recepcionista tem diversas atribuições dentro de uma clínica: responder às chamadas telefônicas, lidar com os planos de saúde, fazer marcação e remarcação de consultas e tirar dúvidas dos pacientes são apenas algumas delas. A rotina corrida pode fazer com que algo seja esquecido no meio do caminho, prejudicando o atendimento da clínica.

Para que isso não aconteça, algumas atitudes devem ser tomadas, como a montagem de uma lista de afazeres diários e semanais.

Assim, a lista pode ser usada sempre que tiver alguma dúvida ou para conferir se tudo já foi feito.

3. Elabore o manual de atendimento

O atendimento em uma clínica é baseado em alguns protocolos e padrões estabelecidos, que devem ser de conhecimento de todos os funcionários. Como são muitas informações para serem lembradas, o ideal é montar um manual de atendimento de fácil acesso, que possa ser consultado quando alguma dúvida aparecer.

O manual deve conter informações como:

  • missão, valores e visão da clínica;
  • lista de más condutas de funcionários;
  • princípios para a relação com o paciente.

Algumas empresas oferecem o serviço de elaboração do manual, mas é preciso que um profissional da clínica inclua as necessidades específicas da mesma.

4. Incentive a participação da equipe

Sempre que possível, envolva a equipe durante as capacitações e treinamentos feitos, para que eles se sintam parte do que acontece dentro da clínica. A elaboração do manual, por exemplo, pode ser feita com a contribuição de funcionários mais antigos.

Outra forma de incluir a equipe é perguntar sobre quais temas eles acreditam haver necessidade de treinamento e capacitação e quais habilidades precisam desenvolver para trabalharem melhor.

Valorizar a opinião de cada um que atua na clínica será um diferencial para o sucesso do processo de capacitação dos funcionários.

5. Invista na capacidade de resolução de problemas

A falta de solução para problemas é uma das principais reclamações dos pacientes em relação aos estabelecimentos de saúde. Treine a equipe da recepção para que possa resolver os problemas com calma, inteligência e rapidez. O paciente fica satisfeito e não é preciso chamar o médico ou outro profissional para resolver.

Algumas dicas que ajudam no desenvolvimento da capacidade de resolução de problemas são:

  • a recepcionista deve conhecer bem o perfil dos pacientes atendidos, dos profissionais de saúde que trabalham no local e dos fornecedores da clínica;
  • precisa saber também dos processos e atividades que acontecem na clínica, como o agendamento de consultas, as formas de contatar os pacientes e o sistema de gestão utilizado;
  • deve, ainda, adotar uma postura prestativa e com atenção aos problemas que os pacientes apresentam.

Quanto mais conhecimento a recepcionista tem da clínica, maior será a sua capacidade de tomar decisões rápidas e acertadas.

6. Promova treinamentos periódicos

Uma das melhores estratégias para manter bons funcionários na clínica é investir no seu crescimento a longo prazo, com reforço de posturas adequadas e reciclagem periódica dos seus conhecimentos. Promova treinamentos em períodos pré-determinados ou sempre que sentir que a equipe está precisando de algo para se motivar.

O treinamento e a capacitação dos funcionários não podem ser pontuais, realizados apenas uma vez. Eles são processos contínuos, que envolvem o crescimento dos funcionários e, consequentemente, da clínica.

Capacitação dos funcionários

Treinar e capacitar a recepção da clínica faz parte de uma grande lista de atitudes que farão o empreendimento prosperar e se destacar no mercado de saúde.

Você gostou desse texto sobre a capacitação dos funcionários? Então aproveite a visita no site, assine a nossa newsletter e passe a receber orientações preciosas para a gestão da sua clínica!

Conheça 7 ferramentas que ajudam na organização da clínica

As ferramentas de organização são aplicativos ou softwares e estão sendo incorporadas em larga escala nos negócios, consultórios e clínicas. Todavia, é preciso selecionar as mais apropriadas para não incorrer em frustrações.

Por isso, elas devem ser práticas, objetivas e facilitar o cotidiano de todos os envolvidos. A escolha dessas estratégias também será definida pelo investimento financeiro disponível, pelo número de funcionários e os benefícios gerados.

Além disso, como parte da melhoria dos processos organizacionais é preciso investir no tratamento humanizado e na modificação da estrutura física para garantir um layout moderno e adequado ao perfil do paciente.

Sendo assim, se deseja conhecer algumas estratégias que destacarão sua clínica em relação às demais, este post é você. Fique por aqui e conheça as ferramentas que ajudarão na organização da clínica.

1. Prontuário eletrônico

Esqueça o acúmulo de formulários e o desperdício de tempo para preenchê-los. A grande tendência é a inserção do prontuário eletrônico, que poderá ser adaptado para empresas clínicas de diversas complexidades e já está em uso, inclusive, nos serviços públicos de saúde.

O prontuário eletrônico é um documento virtual que armazena todas as informações clínicas e medicamentosas do paciente. Também podem ser inseridos exames laboratoriais e de imagem e enviar pareceres aos indivíduos por mensagens instantâneas.

Além disso, por meio do prontuário eletrônico é possível verificar o histórico de procedimentos, prescrições medicamentosas e demais informações terapêuticas, contribuindo com um análise complexa para as próximas intervenções clínicas.

A evolução do prontuário manuscrito para a versão eletrônica permitiu maior atenção do médico para com o paciente que, outrora, ocupava-se com o preenchimento de formulários, e possibilitou maior agilidade nas rotinas.

2. Agendamento online

O agendamento de consultas por técnicas virtuais tem ganhado cada dia mais adeptos. Isso porque muitos gestores clínicos já perceberam as vantagens de sua aplicação, dentre elas a notória redução de custos operacionais.

Sendo assim, o paciente poderá marcar uma consulta no conforto de sua residência, sem aguardar pelo horário comercial para fazer a ligação telefônica aos responsáveis pelo atendimento.

Além disso, o agendamento online diminui os custos administrativos (papéis, materiais de escritório, etc.) e de pessoal, além de fornecer um relatório periódico sobre as consultas marcadas, horários ociosos e outras análises importantes.

3. Armazenamento em nuvem

Com o advento da tecnologia e da ampliação dos conhecimentos em informática clínica, os gestores já utilizam o armazenamento em nuvem. Trata-se de um recurso que organiza os dados dos pacientes em um perfil virtual.

O armazenamento em nuvem é um recurso que permite a compilação das informações do paciente, porém sem utilizar a memória do computador. Essa situação impede a saturação da funcionalidade das máquinas, mantendo-as com velocidade compatível para os demais processos.

Com o armazenamento em nuvem, os médicos poderão acessar remotamente as informações do paciente de qualquer dispositivo com acesso à internet e, dessa forma, conseguir intervir precocemente em situações clínicas que exijam atenção.

4. Sistemas interligados

Antigamente, as rotinas de uma clínica eram fragmentadas e os setores, apesar de dependentes entre si, não mantinham uma integração virtual. Os processos eram duplicados e a produtividade pequena.

Hoje em dia, com o desenvolvimento de softwares específicos para a demanda das clínicas, é possível integrar todas as atividades, gerando códigos diferenciados para cada atendimento e facilitando o faturamento.

O paciente, ao ser cadastrado na recepção, será submetido às atividades clínicas e cirúrgicas e, após o desfecho final (alta, óbito, transferência), o consumo dos medicamentos, materiais hospitalares e honorários médicos serão contabilizados para o faturamento imediato.

Em consultórios menores, a integração de todas as funções da clínica permite maior controle das ações desenvolvidas e o levantamento de indicadores que poderão suscitar medidas gerenciais importantes.

Para tanto, é fundamental avaliar a demanda da empresa e observar quais funcionalidades os softwares disponíveis vão de encontro aos interesses dos médicos e gestores.

5. Telemedicina

A telemedicina é entendida como uma ciência que utiliza os recursos tecnológicos para assistir pacientes em lugares onde a distância é o fator impeditivo. Nesse sentido, a telemedicina utiliza-se de diversas ferramentas.

Uma delas é a consulta virtual com especialistas clínicos ou a videoconferência entre médicos para fazer discussões sobre pacientes complexos. Nesses casos, a apuração do diagnóstico será otimizada e as intervenções serão decididas em conjunto.

A telemedicina também está presente quando se contrata os serviços de laudos à distancia. Nesse contexto, as instituições solicitantes enviam as imagens radiológicas e os radiologistas de plantão laudarão os exames em menor tempo se comparado ao serviço tradicional.

6. Treinamento de equipe

O treinamento da equipe administrativa e clínica é uma estratégia que garante organização e uniformidade dos serviços prestados. O direcionamento da capacitação deve ser feito para o tratamento humanizado e a eficiência das atividades.

O tratamento humanizado é aquele em que os profissionais clínicos acolhem o paciente de forma objetiva, sem perder o foco nas queixas clínicas e emocionais dos indivíduos, respeitando os desejos e expectativas em relação ao tratamento.

A rotina da clínica deve sempre visar à eficiência dos processos e, nesse caso, espera-se a eliminação de etapas desnecessárias, readequação das atividades existentes e avaliação do quadro de funcionários.

7. Interação virtual com os pacientes

A tecnologia e a vivência nas redes sociais já foram incorporadas no cotidiano da maioria dos indivíduos. Pensando nisso, as empresas devem investir em interação virtual com os pacientes por meio do site próprio e no envio de mensagens personalizadas.

A criação do site da empresa fornece informações necessárias da rotina existente, contudo, algumas já investem em conteúdos sobre saúde e serviços de lembrete para o paciente. Sendo assim, é possível receber uma mensagem para confirmação da próxima consulta, por exemplo.

Também é possível a leitura de pequenos textos sobre doenças, uso racional de medicamentos e outros assuntos pertinentes à especialidade clínica dos médicos da empresa. Esse fator contribui para uma maior proximidade com os pacientes.

Ferramentas de organização

As ferramentas de organização de uma clínica devem fornecer subsídios para melhorar a produtividade, aumentar a demanda e otimizar os serviços ofertados. As estratégias para chegar a esse nível perpassam por investimentos na integração dos sistemas, capacitação de funcionários e avaliação contínua das atividades após a implantação.

Portanto, se esse for o seu interesse, entre em contato conosco! Faremos uma análise e indicaremos os planos mais adequados ao seu negócio em saúde!

Empreendedorismo na área da saúde: sua clínica, seu negócio

O empreendedorismo na área da saúde é um tema de extrema importância, pois, em regra, o ingresso dos profissionais autônomos no mercado de trabalho é um pouco mais complicado do que os demais.

Isso se justifica pela necessidade de montar uma estrutura adequada ao atendimento dos clientes e, consequentemente, ter habilidades para gerir esse estabelecimento ― o que, na maioria das vezes, não é ensinado nas faculdades.

Pensando nisso, elaboramos este post para ajudar você a transformar sua clínica em um negócio executável e bem-sucedido. Confira!

O que é preciso para ser um empreendedor?

A qualidade de empreendedor não se traduz na obrigação de abrir um negócio. Aquele que de alguma maneira contribui para gerar riquezas, para o crescimento significativo de determinado empreendimento, também podem ser considerado como tal.

O conceito de empreendedor aplica-se ao indivíduo capaz de transformar suas ideias em oportunidades lucrativas. Eles buscam apresentar soluções inovadoras por meio da criação de produtos ou serviços úteis para a sociedade.

Nesse contexto, é importante destacar que o objetivo dos verdadeiros empreendedores não se limita à satisfação financeira. Suas características vão ao encontro de pessoas que não têm medo de sair da zona de conforto e romper com padrões tradicionais. Conheça algumas qualidades:

Espírito de liderança

Um líder não é simplesmente a figura com firmeza para impor suas decisões, mas sim aquele com aptidão em assumir responsabilidades, que sabe definir metas e traçar as melhores estratégias para alcançá-las.

Criatividade

Diante da alta competitividade do mercado e dos desafios que surgirão durante a execução do seu projeto, a criatividade aparece como elemento indispensável tanto para propor conceitos modernos quanto para administrar o empreendimento.

Ousadia

Característica das pessoas que confiam nas próprias habilidades, que têm força de vontade em aprender sempre mais e humildade para reconhecer um erro, sem ter medo de se aventurar em novas jornadas.

Capacidade motivacional

O verdadeiro empreendedor é aquele que se preocupa em ser o espelho da sua equipe e tem consciência de que o funcionário motivado produz mais. Um líder entusiasmado inspira seu time.

Como funciona o empreendedorismo na área da saúde?

No âmbito da saúde, o conceito de empreendedor continua o mesmo. Talvez o serviço do profissional em si não represente algo tão inovador, porém a forma como ele será prestado poderá fazer toda a diferença, especialmente com a grande quantidade de concorrentes.

Independentemente de atuar no modelo de consultório ou clínica, o proprietário tem que exercer boas práticas de empreendedorismo para obter sucesso. A dinâmica é a mesma de qualquer empresa:

Elaboração de um plano de negócios

O plano de negócios é o começo de tudo, o documento pelo qual você poderá concluir se sua ideia é viável ou não, além de ter em mãos as ações necessárias para colocá-la em ação.

É natural que, durante a execução de uma atividade, surjam imprevistos e esse planejamento passe por modificações. Contudo, isso não significa que ele seja dispensável.

Em um plano para empreendimento na área da saúde, encontraremos dados como:

  • investimento financeiro: gastos com as instalações, equipamentos, funcionários e despesas de manutenção;
  • análise de mercado: conhecer o perfil dos pacientes e em que região se encontram, mapear a existência de outros profissionais da mesma especialidade próximos ao local escolhido;
  • burocracia: quais as licenças necessárias, impostos a serem recolhidos e etapas para abrir o negócio;
  • plano operacional: quais os procedimentos serão realizados na clínica/consultório e os recursos tecnológicos para garantir uma alta produtividade;
  • proposta de valor: o que sua empresa vai oferecer aos clientes ― cirurgias e consultas, por exemplo.

O intuito de um planejamento é deixar o empreendedor a par de todos os desafios que serão enfrentados sem perder de vista os contratempos que podem ocorrer no futuro, garantindo que as decisões sejam tomadas com maior segurança.

Formação de um bom time de colaboradores

Sozinho, dificilmente você vai concretizar as metas traçadas. Dessa forma, estabelecer parceiros estratégicos e contar com colaboradores dedicados levam ao caminho indicado para potencializar o seu projeto.

Vale lembrar que a competência técnica e o alinhamento com a cultura da empresa são características indispensáveis no momento de fazer a escolha do seu time. Busque por pessoas dispostas a comprar o seu sonho e a se esforçar para torná-lo possível.

As clínicas médicas têm sido uma tendência dos empreendimentos de saúde. Tratam-se de ambientes que reúnem profissionais de diversas áreas ― um conceito muito inteligente, pois uma especialidade acaba atraindo pacientes para outra.

Entretanto, quem pretende investir nesse tipo de negócio deve ter bastante cuidado para selecionar os associados, talvez uma ressalva ainda maior do que com os demais funcionários. Isso porque mesmo com o benefício de serem independentes, o erro ou mau atendimento de um único profissional pode acabar com a reputação de toda a clínica.

Criação de um diferencial

A consolidação da carreira de profissional da saúde está condicionada à manutenção de uma vasta cartela de pacientes, que neste caso também devem ser encarados como clientes. Assim, suas ações exigem um foco na fidelização e na captação de novo público.

Ofereça um ambiente agradável, organizado e com um atendimento cortês. Afinal, a interação com o espaço e os funcionários precede o contato com o médico ou demais especialistas. É a primeira oportunidade de impactar positivamente e transmitir credibilidade.

Nos dias atuais, o acesso às informações é rápido e fácil, e os consumidores exigem cada vez mais por serviços de qualidade. Se suas expectativas não forem correspondidas, não há nenhum constrangimento em trocar de profissional.

Aplicação de estratégias de marketing

As ações de marketing salientam a visibilidade de um negócio. Além disso, conferem eficiência à missão de detectar o público-alvo e os canais de comunicação para atingi-los.

Seja por meio de mídias sociais, e-mail marketing, blogs, marketing de conteúdo, o importante é estabelecer uma conexão com os destinatários dos serviços.

Nesse tipo de empreendedorismo, temos a peculiaridade do marketing pessoal ser igualmente relevante, ou seja, além de zelar pela imagem e popularidade da instituição, as qualidades individuais do profissional também precisam de notoriedade.

Investimento na sua qualificação

O segmento da saúde opera em constante evolução. As técnicas e os equipamentos modernizam, e junto a esse processo é primordial que seus operadores acompanhem as transformações para entregar um trabalho de melhor qualidade e se manter competitivo.

O pensamento de autossuficiência, de que já foram construídos um nome sólido e uma clientela fixa, não é sinônimo de prosperidade. O bom profissional é aquele que investe no aprimoramento dos seus conhecimentos.

Logo, oferecer especialidades e tratamentos diferenciados são atributos com grande valor para obtenção dos resultados esperados.

Empreendedorismo na área da saúde

Como você pôde ver, o empreendedorismo na área da saúde é uma atividade-meio para que o serviço principal seja prestado com excelência. Existem muitos profissionais qualificados no mercado, mas o segredo para montar um negócio de sucesso é aliar essa competência ao perfil de empreendedor.

Agora que você já sabe algumas dicas preciosas para fazer da sua clínica o seu negócio, assine a newsletter e receba todo o nosso conteúdo por e-mail!

Médicos: como fazer gestão de tempo e por que ela é importante

A gestão de tempo é uma estratégia que deve ser desenvolvida em todas as instituições de saúde. Saber gerenciar as atividades de acordo com os horários disponíveis e diminuir as etapas desnecessárias é uma tarefa que precisa ser avaliada constantemente.

Na área da saúde isso se torna mais importante, pois impacta na avaliação de custos, no controle dos processos e na melhoria da assistência clínica, dentre outras vantagens proporcionadas por essa implantação.

Portanto, os médicos precisam reavaliar suas condutas e solicitar uma consultoria gerencial sempre que necessário, para garantir os melhores resultados e não prejudicar a estabilidade financeira da instituição.

Por isso, se você ainda não sabe como fazer a gestão do tempo em sua clínica, não perca as dicas que abordaremos a seguir!

Caracterize as tarefas pendentes

Para realizar gestão do tempo de forma satisfatória, é crucial caracterizar as atividades pendentes. Nesse sentido, a classificação envolve situações relacionadas ao prazo para executá-las ou de caráter importante para a instituição de saúde.

Tarefas ligadas ao tempo são aquelas que possuem uma data de expiração e precisam ser executadas antecipadamente para evitar trabalhos sem supervisão ou malfeitos. Como exemplo, a organização e o faturamento dos procedimentos clínicos.

Obrigações pendentes classificadas como importantes devem ser formalizadas mediante um projeto delineado para evitar problemas futuros. É o caso de mudanças na estrutura física de um serviço hospitalar para atender às novas regulamentações.

Ressalta-se que as tarefas importantes podem se tornar urgentes caso os gestores procrastinem bastante sua implantação. Por isso, essas classificações servem como base para tomada de decisão de forma imediata e deve ser seguida à risca.

Organize os procedimentos da clínica

Após estabelecer a ordem de prioridade para execução das tarefas pendentes, é fundamental organizar os processos que devem ser realizados. Nesse contexto, é preciso elaborar os chamados procedimentos operacionais padronizados (POP).

Os POPs serão produzidos pela equipe de funcionários e gestores, que detalharão os passos de uma atividade e farão os treinamentos necessários para obter o máximo de eficiência na rotina estabelecida.

Assim, os procedimentos clínicos e administrativos serão conduzidos com objetividade, uniformidade e vão garantir a redução de custos e o maior comprometimento da equipe de colaboradores.

Destine tempo adequado para a consulta

A consulta médica é o primeiro passo para formular a hipótese diagnóstica. Porém, é preciso estimar um tempo médio para desenvolver essa prática com eficiência. Isso porque muitos pacientes são prolixos nas conversas e, dessa forma, a consulta não evolui.

Sendo assim, é preciso considerar três pontos básicos: o relato da queixa do paciente (ou seja, os dados subjetivos), a avaliação dos parâmetros clínicos (temperatura corporal, aferição da pressão arterial) e a solicitação dos exames laboratoriais.

O profissional clínico deve conduzir o relato do paciente direcionando-o para as situações relevantes e, assim, obtendo dados clínicos concretos. A escuta médica deve ser passiva nesse primeiro momento, observando também a linguagem corporal.

Além disso, em algumas situações será necessário interrompê-lo educadamente quando o assunto não for pertinente à consulta médica. Essas práticas contribuem para que o médico consiga estabelecer um diagnóstico mais preciso.

A utilização da tecnologia poderá aperfeiçoar essa situação. Médicos que já inseriram o prontuário eletrônico em seus consultórios costumam obter o máximo de informações, pois são direcionados pela plataforma informatizada.

Saiba delegar serviços clínicos

A responsabilidade por um estabelecimento clínico é do profissional médico, e ela não pode ser delegada. Ou seja, a prestação de assistência ao paciente é dever dos profissionais credenciados para tal função.

Outras atividades podem ser delegadas, como a digitalização dos exames dos pacientes, a transcrição dos resultados radiológicos e a organização da agenda conforme as condições clínicas do paciente.

Para o sucesso dessas atribuições, é preciso elaborar POPs para cada atividade, observar o andamento das tarefas e obter sugestões dos colaboradores clínicos para os ajustes necessários na rotina.

Outra estratégia que deve ser pensada é a descentralização dos procedimentos. Quando todos os trabalhadores conhecem a rotina do consultório médico, os processos são executados com a mesma padronização, até quando ocorre a ausência de algum indivíduo.

Essa situação reflete em maior produtividade sem perder a qualidade da assistência prestada. Dessa forma, o consultório garante a fidelização do paciente e posteriores recomendações positivas.

Reserve um tempo para pausa

Nas empresas clínicas, é comum visualizarmos uma rotina atribulada, com funcionários estressados e pouca interatividade entre os colaboradores. Todos estão concentrados em suas atividades e o clima organizacional tende a ficar negativo.

Além disso, como se trata de um ambiente de saúde que naturalmente envolve problemas físicos e emocionais, a tensão que paira no ar fica evidente e, ao menor sinal de um problema, todos ficam apreensivos.

Para amenizar essa situação, é imprescindível reservar tempo para desacelerar da rotina laboral. Reserve alguns minutos sem os recursos tecnológicos disponíveis (telefones celulares, tablets e computadores) e, se possível, estando em contato com o ambiente externo.

A pausa pode ser determinada conforme o horário menos atribulado ou por meio de um revezamento estipulado entre os colaboradores. Desse modo, os funcionários ganham uma dose extra de ânimo para continuar as atividades até o final do dia.

Faça o planejamento estratégico

Elaborar um planejamento estratégico situacional vai melhorar significativamente as responsabilidades de cada colaborador. Essa ferramenta permite também avaliar o cumprimento dos prazos estabelecidos.

Para tanto, é preciso fazer uma tabela constando os elementos-chave: “o que”, “quem” “quando”, “onde” e “por que”. O primeiro deles se refere ao tipo de trabalho que será executado, considerando as etapas para desenvolvê-lo.

O segundo elemento-chave será responsável pela execução ou supervisão, enquanto o terceiro mencionará o prazo para finalizar os serviços elencados. Por fim, relata-se em qual local essas atividades serão implantadas e a justificativas para esse feito.

Gestão de tempo

Seguindo esses passos corretamente, monitorando as atividades implantadas e propondo mudanças ao longo dos tempos com base nos indicadores relacionados, as atividades serão efetuadas com mais eficácia e menos tempo.

E você, o que tem feito melhorar a gestão de tempo em sua empresa? Já implantou alguma dessas dicas? Precisa de mais conhecimentos sobre assuntos de gestão em saúde? Então, curta nossa página no Facebook e receba-os diretamente em sua timeline!

Veja 6 dicas para aumentar a eficiência no atendimento em clínicas!

Investir em eficiência no atendimento clínico é uma das condições imprescindíveis para aumentar a produtividade e alcançar o tão desejado equilíbrio financeiro da instituição de saúde.

Para tanto, é preciso analisar os parâmetros que podem ser melhorados e implantar outros, com o objetivo de oferecer uma experiência única desde o pré-atendimento até a pós-consulta clínica.

Além disso, é fundamental que o médico gestor avalie os recursos financeiros disponíveis, faça treinamento da equipe e acompanhe por meio de indicadores as percepções dos pacientes após as mudanças.

Quer saber como aumentar a eficiência no atendimento clínico em sua empresa? Então, não deixe de ler as dicas que detalharemos a seguir!

1. Adote o agendamento online

A tecnologia trouxe consigo uma diversidade de benefícios tanto para o cotidiano das pessoas quanto para a rotina dos consultórios médicos. Exemplo disso é a marcação de consultas online. Essa ferramenta possibilita que o paciente tenha liberdade para escolher a melhor data e horário conforme seus afazeres e não depende de fazer ligações telefônicas frequentes para a recepção dos consultórios.

Além disso, essa prática tende a diminuir o absenteísmo sem justificativa, uma vez que o paciente escolhe o horário mais conveniente para sua rotina, o que reduz as chances de esquecimento. Para os gestores, o agendamento online desafoga a rotina da recepção que realizará outras atividades igualmente importantes e desenvolverá serviços mais complexos.

2. Eficiência no atendimento

A eficiência no atendimento clínico será influenciada por diversos atores, os quais são: médico, paciente e equipe administrativa que devem trabalham em conjunto para evitar desarranjos ao longo do dia.

Isso significa que a equipe administrativa deve organizar a agenda do médico conforme o nível de complexidade da consulta (primeiro atendimento, consulta particular, retorno para mostrar exames, realização de procedimentos ambulatoriais etc.) de maneira a disponibilizar intervalos diferenciados.

Sabendo disso, o médico deve ser objetivo em suas condutas para que o tempo seja cumprido conforme destinado a cada tipo de consulta, porém sempre considerando os imprevistos ou intercorrências. Por fim, o paciente e o médico devem manter a pontualidade para o compromisso da consulta, uma vez que a falha nesse quesito também compromete a organização da agenda realizada previamente.

Assim, será possível reduzir o tempo de espera e aumentar a satisfação do paciente que perceberá uma preocupação com os que estão sendo atendidos, sem deixar de prestar atenção aos indivíduos que estão aguardando na recepção.

3. Tenha uma boa presença digital

No mundo conectado em que vivemos, as informações veiculadas pelas redes sociais alcançam pacientes em poucos minutos e se disseminam na mesma velocidade para influenciar toda uma rede de pessoas. Dessa forma, investir em mídias sociais com conteúdo de qualidade, e sempre respeitando os limites éticos estabelecidos, tem sido uma ótima estratégia para propagar as atividades realizadas no consultório.

Para tanto é necessário uma consultoria específica que direcionará o público-alvo, bem com a estratégia de sensibilização dos indivíduos, de modo a investir em mensagens diferenciadas e em uma linguagem médica acessível ao paciente leigo.

4. Invista em software de gestão

A eficiência no atendimento em clínicas perpassa por mais organização dos dados do paciente e acesso imediato às consultas, histórico clínico e medicamentoso de forma a agilizar as condutas. Nesse sentido, o investimento em softwares de gestão clínica é uma necessidade crescente, haja vista o volume de dados a serem inseridos, como exames laboratoriais e radiológicos, prescrição de medicamentos e demais informações relevantes para o médico.

Além disso, os dados dos pacientes podem ser enviados a outros médicos especialistas para discussão de melhores condutas, algo impensável com os prontuários manuscritos. As vantagens clínicas, administrativas e econômicas são crescentes conforme as potencialidades de cada plataforma, mas já garantem organização e armazenamento seguro dos dados, levantamento de indicadores gerenciais e controle do faturamento.

Todavia, a alimentação da plataforma deve ser feita adequadamente para evitar falhas na compreensão das informações e perda de dados relevantes para o diagnóstico do paciente.

5. Manter a humanização nas consultas

Em tempos de modernidade tecnológica, muitos médicos gestores se deslumbram com as ferramentas inovadoras na assistência à saúde, mas se esquecem que a essência do atendimento é a comunicação e acolhimento do paciente.

Nesse contexto, a prática da humanização deve ser uma estratégia presente nas consultas e nos pequenos procedimento realizados em consultório. Dessa forma, é preciso investir constantemente em técnicas de humanização. As técnicas de humanização envolvem a comunicação direta, sem menosprezar os sentimentos dos pacientes e considerando as suas decisões após a explanação do diagnóstico e das terapias disponíveis.

Sendo assim, o médico deve captar e compreender as emoções subjacentes ao problema clínico e como isso influenciará na adesão de cada tipo de paciente e no prognóstico. Em casos mais específicos, o encaminhamento a outros profissionais pode ser requerido.

6. Promova a padronização dos processos

A eficiência no atendimento clínico deve passar pela padronização dos processos desde a recepção até a consulta médica. Isso implica em elaborar procedimentos desde o cadastro até o encaminhamento do paciente ao profissional clínico. Nesse sentido, cabe um treinamento prévio sobre como abordar o paciente que chega à recepção, quais são os documentos solicitados e as situações que demandam uma atenção diferenciada.

Após o cadastro e registro no sistema, o próximo passo é a orientação adequada para aguardar na recepção ou encaminhar o paciente ao consultório do médico conforme a padronização desse procedimento. Também é importante que a equipe mantenha previamente o cadastro do paciente no sistema informatizado (de preferência) para que o médico possa buscar as informações e inserir os dados clínicos assim como as queixas referentes à consulta médica.

Avaliação Contínua

Investir em eficiência no atendimento clínico é um processo que precisa ser avaliado continuamente. Isso porque as demandas mudam constantemente e os médicos gestores devem adequar os processos conforme a quantidade de pessoas e os recursos financeiros disponíveis. Por isso, as dicas inseridas neste texto devem ser avaliadas e implantadas gradativamente para não gerar problemas de adaptação.

E você, gostou das nossas dicas? Fica de olho nas nossas postagens? Então, não deixe de nos seguir também pelo Facebook!

Veja os principais erros no atendimento em clínicas e consultórios!

Prezar pela qualidade no atendimento em clínicas médicas e consultórios deve ser uma constante para os médicos gestores, tanto no quesito administrativo, quanto assistencial. Isso porque esse parâmetro de excelência traz retorno financeiro e produtividade à instituição.

Por outro lado, a assistência clínica que deixa o paciente insatisfeito pode repercutir em diminuição dos serviços, mudanças no perfil de atividades e pouco investimento em novas frentes de trabalho.

Portanto, é essencial verificar quais são os erros cometidos, modificá-los e acompanhar a satisfação dos serviços implantados por meio de indicadores objetivos e fidedignos. Quer saber quais são os principais erros no atendimento em clínicas médicas? Então, fique por aqui e entenda mais sobre esses problemas!

Tempo de espera longo demais

O consultório médico precisa de um número significativo de pacientes para que a rotatividade desses indivíduos mantenha a sustentabilidade da empresa. Além disso, os pequenos procedimentos realizados nos consultórios também devem ser incorporados ao faturamento final para análise da situação econômica.

No entanto, para chegar ao equilíbrio financeiro, a equipe administrativa opta por marcar as consultas em intervalos muito pequenos. O resultado é um grande número de pessoas aguardando na recepção da clínica médica.

Essa prática também não considera aspectos importantes, tais como uma consulta particular ou outras que são apenas retornos. Isso gera muitos problemas para aqueles que aguardam ansiosamente pelo atendimento.

Esse cenário impacta negativamente na visão do paciente, que interpreta essa situação como falta de respeito à pontualidade do individuo, descaso com o desconforto causado pela espera de uma consulta programada e falta de organização da equipe administrativa.

Falta de informações sobre os procedimentos

Uma consulta médica deve ser esclarecedora sob os aspectos clínicos e financeiros. O paciente precisa sentir confiança no médico e entender todos os procedimentos que serão realizados nele. Todavia, alguns médicos não se atentam a esse quesito.

Para tanto, os médicos devem explicar detalhamento o diagnóstico conforme o nível de letramento em saúde do paciente, apresentar as opções mais favoráveis ao problema clínico e orientar os familiares quando necessário. É crucial que os profissionais abordem questões relacionadas ao custo dos procedimentos, a que materiais serão cobertos pelo plano de saúde e quais não terão reembolso pelas operadoras.

Sala de espera negligenciada

Antigamente, as salas de espera de um consultório clínico eram baseadas em revistas de celebridades e um filtro de água. Porém, atualmente, esses requisitos não são suficientemente atraentes. Sendo assim, uma sala de espera deve conter móveis aconchegantes, ambiente climatizado, internet wi fi, revistas sobre diversos temas, com ênfase aos cuidados em saúde e, opções de bebidas que vão além da água e dos cafés de garrafa térmica.

Isso porque a experiência nesse espaço também é avaliada pelo paciente que preza por uma boa acomodação enquanto aguarda o atendimento. O local deve ser pensado para atender idosos, pessoas com dificuldade de locomoção e com outras deficiências (visual, auditiva etc.), se for o perfil de pacientes recebidos pela clínica.

Pouco investimento na avaliação do paciente

O investimento no atendimento em clínicas médicas deve começar no pré-atendimento e manter a qualidade até depois da consulta. Pois, o processo de marcação precisa ser eficiente e atender às demandas do paciente. Nesse contexto, o agendamento online é uma estratégia interessante, porém o uso comercial do telefone é uma opção para aqueles com pouca destreza nos sites eletrônicos e nos aplicativos de celular.

Ao final da consulta é importante que a equipe administrativa obtenha informações com o paciente sobre o atendimento recebido. As formas são diversas: via contato telefônico, aplicativos de mensagens instantâneas, preenchimento online ou correspondências.

Utilização de indicadores inefetivos

O uso de indicadores é aconselhável para os gestores que necessitam de um diagnóstico situacional da clínica. Dentre eles, é possível mensurar índices de produtividade e pontos a melhorar e por isso devem ser bem escolhidos.

No primeiro caso, devem ser considerados: porcentagem de consultas realizadas, número de procedimentos executados, avaliação da satisfação do paciente, dentre outras. No segundo caso deve-se mensurar a quantidade de glosas dos convênios, número de absenteísmo, principais reclamações dos pacientes.

Sendo assim, os gestores terão informações apuradas sobre os acontecimentos da clínica e traçarão metas para mudanças das não conformidades. Além de poder investir em melhorias das atividades com avaliação positiva.

Serviços pouco diferenciados

Com a correria do cotidiano em que se vive, é fundamental a criação de ferramentas que facilitem a marcação de consultas ou agilizam o diagnóstico do paciente. Nesse sentido, o uso dos recursos tecnológicos inovadores é um grande diferencial.

Os médicos gestores devem implantar serviços variados em relação à concorrência para destacar a empresa e atrair novos pacientes. Uma das formas de obter esse benefício é a incorporação do prontuário eletrônico nos softwares ou a emissão de laudos online. Outra estratégia do ponto de vista multidisciplinar é a inclusão de serviços de outros profissionais clínicos no mesmo ambiente, favorecendo o encaminhamento do paciente e a intervenção mais rápida no indivíduo.

Falta de humanização na abordagem clínica

A humanização é uma prática que deveria ser a essência do profissional de saúde, porém muitos se especializaram nos diagnósticos e intervenções e, se esqueceram de que por trás desses problemas clínicos estão diversos tipos de pacientes. Dessa forma, a conduta fria e calculista deve ser abolida do consultório médico, dando lugar ao profissional que se preocupa com uma comunicação eficiente considerando as dimensões biopsicossociais da condição clínica e como isso deve ser abordado.

Sendo assim, o médico deve encontrar estratégias para lidar com o sofrimento do paciente e interpretar como a doença está afetando ou afetará as intervenções terapêuticas propostas, enfocando sempre a figura do indivíduo.

Atendimento em clínicas

Investir no atendimento em clínicas e consultório deve ser um pensamento constante dos médicos gestores para atrair novos pacientes, facilitar a fidelização, otimizar a gestão de recebimentos e aumentar o faturamento nos serviços. Para tanto é imprescindível verificar os principais erros, buscar melhorias ou adaptações para atender o paciente com excelência do ponto de vista clínico, econômico e humanizado.

E você, ainda tem dúvidas sobre as melhores técnicas para atendimento ao paciente? Então, não deixe de ler também sobre como atrair mais pacientes para seu consultório!

xdoctor

Assine nossa Newsletter

Receba conteúdo em primeira mão para melhorar a gestão e os resultados da sua clínica ou consultório!

Parabéns! Verifique seu e-mail para confirmar a sua assinatura. Caso não receba o e-mail verifique sua caixa de SPAM.